32,08%
8 Deputados
31,11%
7 Deputados
9,79%
2 Deputados
9,07%
2 Deputados
4,26%
1 Deputados
4,12%
1 Deputados
3,76%
0 Deputados
1,22%
0 Deputados
2,62%
0 Deputados
  • Freguesias apuradas: 3092 de 3092
  • Abstenção: 63,48%
  • Votos Nulos: 0,77%
  • Votos em Branco: 1,20%

A+ / A-

Bispo de Lamego. Quaresma para "desintoxicar de excessos, acessórios e inutilidades"

14 fev, 2024 - 14:28 • Ecclesia

Diocese destina renúncia quaresmal a paróquia-missão do Imaculado Coração de Maria de Nametil, em Moçambique, e aos cristãos na Síria.

A+ / A-

O bispo de Lamego convidou os cristãos a olhar o tempo da Quaresma como um “deserto que convida ao essencial”, que “desintoxica de excessos, de acessórios” e a dar valor a um “simples trago de água”.

“O deserto ensina o essencial. Desveste-nos de acessórios. Desintoxica-nos de excessos e inutilidades. Deixa-nos a céu aberto com Deus. Estimula-nos a caminhar. Talvez nos ensine a rezar, a desenterrar as raízes, a partilhar. A procurar um sentido para os passos incertos que damos. No deserto aprendemos a sofrer, a saborear a resina do tamarisco, a apostar tudo num simples trago de água”, escreveu D. António Couto na mensagem para a Quaresma.
O responsável lamentou que hoje se procurem “provas inequívocas e argumentos que ninguém possa rebater” para reconhecer a presença de Deus, quando “um simples respiro concedido” orienta o olhar para Deus.
O bispo de Lamego indicou que voltar ao deserto, “tanto em sentido físico e unívoco, mas análogo”, oferece a “oportuna e necessária desmontagem dos egoísmos e malabarismos” que se apoderam do homem.
“É por isso que o deserto é um tempo novo, cheio de esperança. Um espaço novo, um campo novo, não estéril, mas tantas vezes apresentado como um jardim florido, como uma terra regada por rios e mais rios. Tudo imagens preciosas de quanto Deus pode fazer nascer na nossa vida”, sublinhou.
O responsável indicou a Quaresma como “um tempo importante para manter limpo o olhar, sem traves ou muros, e limpo também o coração, sem raivas ou invejas”.
“É tempo de graça, de oração e conversão. É tempo de reforçar os laços da nossa caridade, que é um exercício que a Igreja nos propõe fazer em cada Quaresma”, indicou.
D. António Couto indicou que a renúncia quaresmal da diocese de Lamego será destinada “aos irmãos na Síria” e à paróquia-missão do Imaculado Coração de Maria de Nametil, na diocese de Nampula, em Moçambique.
“Com cerca de 13.000 km2, no norte de Moçambique, a paróquia-missão do Imaculado Coração de Maria de Nametil experimenta muitas necessidades e precisa de erguer estruturas de oração e de formação para os seus mais de 55.000 fiéis batizados e crismados e para os muitos milhares de catecúmenos que se preparam para o batismo”, assinalou.
“A nossa esmola para a Síria seguirá diretamente pela mão da Ir. Maria (Myri) Lúcia Ferreira, uma religiosa portuguesa que vive atualmente na Síria, no Mosteiro de S. Tiago Mutilado”, acrescentou.
O bispo de Lamego deu ainda conta que a renúncia quaresmal de 2023 entregou “24.767,46 euros ao irmãos martirizados da Ucrânia e da Síria, cujo grau de sofrimento não conseguimos sequer imaginar”.
A Quaresma é um tempo litúrgico, de 40 dias (a contagem exclui os domingos), de preparação para a Páscoa, marcado por apelos ao jejum, partilha e penitência, com início na Quarta-feira de Cinzas (14 de fevereiro, este ano).
Saiba Mais
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+