Tempo
|
Euranet
Geração Z
Nasceram na era das tecnologias de informação, são mais práticos e mobilizam-se por causas. Até dispensam o carro e a casa, também porque não têm grandes salários para pagá-los, mas arriscam ter o seu próprio negócio. Como podemos ajudá-los? Quais os medos que enfrentam? Que tal começarmos por ouvi-los? "Geração Z" é um podcast quinzenal, publicado à quarta-feira, às 18h, da autoria do jornalista Alexandre Abrantes Neves. Esta é uma parceria Renascença/Euranet Plus.
A+ / A-
Arquivo
QUA GERAÇAO Z D29
Geração Z - Ouça aqui o podcast

Geração Z

"Banalizámos a nossa vida privada e a culpa é dos influencers e dos reality shows"

29 nov, 2023 • Alexandre Abrantes Neves , João Campelo (sonorização)


Ficam desconfortáveis quando pensam que alguém os pode espiar, mas partilham cada vez mais detalhes íntimos nas redes sociais. Os jovens ainda têm um longo caminho a fazer em matéria de literacia digital e, para Rita Figueiras, professora universitária, este processo só pode começar na escola.

Conhecem os perigos em partilhar fotografias da sua vida pessoal, mas não hesitam quando é um bom conteúdo para “alimentar as redes”. Sabem que nem todos os sites tratam os seus dados de forma segura, mas colocam-nos à disposição sem pensar quando querem subscrever um serviço. Percebem que seria mais seguro utilizar um navegador anónimo, mas não se lembram disso de cada vez que abrem o computador ou o telemóvel.

Segundo Rita Figueiras, professora na Universidade Católica Portuguesa, é deste tipo de paradoxos que é feita a experiência da privacidade pelos jovens: “as novas gerações tendem a considerar a questão muito importante, mas quando entram no espaço digital, essa importância diminui, face aos benefícios”, afirma.

Introduzir etapas, atrasa os processos que estamos habituados nas redes sociais. Mudar pode gerar frustração

Benefícios estes que, nas palavras da especialista em Sociologia da Comunicação, funcionam como uma “troca mútua”: os jovens deixam que as aplicações acedam aos seus dados para depois poderem desfrutar delas gratuitamente. Uma lógica que está entranhada na sociedade e que, ao ser quebrada, pode mesmo provocar ansiedade.

“Em vez de aceitar tudo, talvez seja melhor ir ver os termos e condições. Mas isso significa introduzir etapas e atrasar o processo de procurar qualquer informação. Os jovens querem a gratificação mais imediata: se estão à procura de algo divertido, querem logo divertir-se. É um automatismo e mudar pode gerar frustração”, explica.

E se os jovens tendem a ignorar que os algoritmos sabem quais são as bandas e a roupa que mais gostam, a conversa é outra quando se apercebem de que pode haver pessoas a lerem as mensagens que trocam com a família e amigos. Rita Figueiras garante: quando se pensa que é uma pessoa e não uma empresa que tem acesso aos nossos dados, há “maior inibição e vergonha” ... e até medo. “Receamos que estes terceiros que leiam as nossas conversas, que possam contar a outros e até a pessoas que nos conheçam, na nossa vida pessoal, profissional e académica”, aponta.

Regulação não faz sentido sem educação

Num estudo da empresa tecnológica Cisco, divulgado em novembro deste ano, 35% dos inquiridos na Europa consideraram que a responsabilidade de regular as plataformas em termos de privacidade é dos governos.

Para além de informação sobre os produtos que compramos ou não, os algoritmos recolhem dados de comportamento – como os períodos em que estamos mais tempo ao telemóvel ou o tipo de publicidade que nos atrai mais – e até dados sobre a forma como nos sentimos, com aplicações de saúde e bem-estar.

Rita Figueiras diz, por isso, que regular a extensão dos dados recolhidos – o que, na União Europeia, já acontece desde 2018, com o Regulamento Geral de Proteção de Dados – é “vital” para uma sociedade democrática: “o direito à privacidade tem obviamente de ser um direito inalienável”.

Ainda assim, a regulação não vai atacar a raiz do problema se não se apostar em programas de literacia digital para a população - e, em Portugal, o plano curricular da disciplina de Cidadania e Desenvolvimento tem atualmente apenas uma linha sobre privacidade. A especialista recorda, por isso, que a consciencialização sobre o uso de dados pessoas online tem de começar rapidamente e logo nos primeiros níveis de ensino, principalmente para reduzir o vício das crianças e adolescentes nas redes sociais.

“A arquitetura das redes estão a viciar os jovens nessas plataformas. Os dados são utilizados, por um lado, para devolver publicidade direcionada, mas também para os sistemas de recomendações. Se alguém gosta de azul, as redes apresentam-lhe mais azul. E mais azul, e mais azul, e outros tons de azul. Isto faz com que, uma vez que se entra nas redes, fique muito difícil sair”, esclarece.

E estes sistemas de recomendação podem ainda trazer riscos para a democracia, já que asfixiam a diversidade de informação que existe online.

“Ao contrário de que se pensa, a internet não é um espaço com uma quantidade enorme de informação. Estes sistemas afunilam as perspetivas. Só nos dão informação que vai ao encontro daquilo que gostamos”, alerta.

Além disso, Rita Figueiras vê com bons olhos a criação de uma iniciativa semelhante ao Dia da Defesa Nacional, mas virado para práticas de defesa contra ciberataques.

“O território online é passível de ter mais ataques [do que o território físico dos países] e muitas vezes esses ataques ocorrem com a libertação de dados. Já aconteceu com o Facebook, com o Twitter e até com a Apple, em que milhares de dados foram divulgados. Temos de aprender a defender-nos, tal como em criança aprendemos a atravessar a estrada”, assinala.

Fazemos “detoxes” das redes sociais por causa da falta de privacidade?

Antigamente ficava resguardada no quarto, hoje em dia é exposta nas redes sociais. A vida privada está cada vez mais “banal” – muito por culpa dos reality shows, mas também dos influenciadores que “divulgam as suas vidas, em todas as idades”.

Para Rita Figueiras, esta é uma das razões para o surgimento de grupos de WhatsApp, como os noticiados nas últimas semanas, onde adolescentes partilham conteúdos de cariz íntimo e pornográfico.

O direito à privacidade tem obviamente de ser um direito inalienável

“A noção de intimidade alterou-se ao longo das gerações. Com os influenciadores e os reality shows, fomos abrindo as fronteiras do que significa ‘intimidade’. Os mais novos não reconhecem os limites da vida privada que existiam antes da internet, por exemplo. Apesar de terem mensagens encriptadas, estes grupos do WhatsApp são espaços onde se negoceia a intimidade e a privacidade das pessoas”.

Porém, esta exposição da intimidade é, para a professora universitária, um “contrassenso”, já que desde a Grécia Antiga estamos habituados a “resguardar partes da nossa vida” e, de repente, a tecnologia “potencia o oposto, permite a partilha em larga escala”.

Este paradigma contribui para a “exaustão crescente”, que muitos jovens sentem quando usam a internet. O resultado? Muitos acabam por fazer um “detox” das redes sociais, suspendendo ou mesmo apagando definitivamente as contas.

Há sempre a sensação de que estamos desatualizados, de que há qualquer coisa nova a acontecer. Também a ideia de que preciso de estar sempre a criar um conteúdo giro que consiga ter mais alcance. Além disto, e principalmente nos mais novos, há o stress e o medo de que o que se diz online lhe possa trazer comentários negativos. Tudo isto traz saturação”, remata.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.