Tempo
|
A+ / A-

Ministério da Cultura nomeia Carlos Prado para a Companhia Nacional de Bailado

14 jul, 2021 - 16:46 • Maria João Costa

Sofia Campos não viu o seu mandato renovado. O gabinete de Graça Fonseca nomeou esta quarta-feira Carlos Prado como novo diretor artístico da Companhia Nacional de Bailado, para um mandato de três anos.

A+ / A-

Mais uma mudança na direção de um organismo cultural. À beira de terminar o seu mandato, no próximo mês, Sofia Campos será substituída por Carlos Prado na direção artística da Companhia Nacional de Bailado (CNB). Em comunicado, o Ministério da Cultura informa que nomeou o antigo primeiro bailarino do Ballet Gulbenkian para um mandato de três anos a começar a 1 de setembro próximo.

A Sofia Campos que ocupou o cargo nos últimos anos e que viu parte da sua programação ser afetada pela pandemia obrigando a CNB a adiar e cancelar espetáculos, “o Governo agradece muito o trabalho desenvolvido”.

Na nota emitida pelo gabinete de Graça Fonseca pode ler-se que Carlos Manuel Prado Sousa que irá exercer funções até 31 de agosto de 2024, “fez a sua formação artística na ADC (Academia de Dança Contemporânea) de Setúbal sob a direção de Maria Bessa e António Rodrigues”.

Nascido em Setúbal, Carlos Prado fez parte do elenco da CNB entre 1984 e 1990, antura em que transitou para o Ballet Gulbenkian. Naquele corpo de bailado foi primeiro bailarino e dançou até à extinção da companhia em 2005.

No seu percurso, Carlos Prado soma ainda o facto de ter sido assistente do coreógrafo Mauro Bigonzetti, além de ter trabalhado “com importantes companhias de ballet no mundo onde se destacam o Teatro alla Scala de Milão, Bolshoi Moscovo, Ballet de Santiago Chile, NYC Ballet NY, Ópera de Paris e CNB Portugal entre muitas outras”, diz o comunicado.

O novo diretor da CNB fez também coreografia para várias óperas do Teatro Aberto, do Teatro Nacional de São Carlos ou do Teatro Nacional D. Maria II.

Tópicos
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+