32,08%
8 Deputados
31,11%
7 Deputados
9,79%
2 Deputados
9,07%
2 Deputados
4,26%
1 Deputados
4,12%
1 Deputados
3,76%
0 Deputados
1,22%
0 Deputados
2,62%
0 Deputados
  • Freguesias apuradas: 3092 de 3092
  • Abstenção: 63,48%
  • Votos Nulos: 0,77%
  • Votos em Branco: 1,20%

A+ / A-

Papa em Timor-Leste. Ramos Horta mostra "grande alegria" e revela pormenores da visita

12 abr, 2024 - 18:03 • Pedro Mesquita

Presidente timorense e Nobel da Paz espera metade da população do país em Díli para receber Francisco. Programa entre 9 e 11 de setembro vai ser "relativamente ligeiro", para não sobrecarregar o Papa.

A+ / A-
A entrevista de Ramos Horta, presidente de Timor-Leste, à Renascença
Papa Francisco e Ramos Horta reunidos no Vaticano Foto: Vatican Media/Catholic Press Photo/IPA

O presidente de Timor-Leste, José Ramos Horta, revela uma “grande alegria” com a visita do Papa Francisco ao país, anunciada para os dias 9, 10 e 11 de setembro.

Em entrevista à Renascença, Ramos Horta revela pormenores da visita com um “programa relativamente ligeiro”, para não sobrecarregar o Papa, e que fará deslocar a Díli cerca de 700 mil pessoas, metade da população de Timor-Leste.

“Em todo Timor já se esperava a visita de Sua Santidade e é uma grande excitação, uma grande alegria para este país, de mais de 99% católicos. Espera-se, provavelmente, até 700 mil pessoas, de uma população de 1,4 milhões, à espera em Díli”, afirma o Nobel da Paz em 1996.

A visita terá, segundo o presidente timorense, dois objetivos: “que o povo possa estar perto de Sua Santidade e que o Papa realize o seu desejo de estar perto do povo, sobretudo da juventude”, com o momento mais alto da visita a ser a celebração de uma missa em Dili.

Para a visita, Ramos Horta adianta que o Governo alocou 12 milhões de dólares para melhorias de infraestruturas, como a adaptação de alguns espaços, reabilitação de estradas em Díli e a logística, segurança, saúde e alojamento de visitantes, para além de fiéis.

A visita de Francisco surge 35 anos depois da última passagem de um Papa pelo território. Em 1989, durante a visita de João Paulo II, Timor-Leste estava ainda ocupado militarmente pela Indonésia, mas Ramos Horta não esquece a importância do momento.

“João Paulo II colocou Timor-Leste no mapa do mundo. Foi de extrema importância, para o povo que viveu anos na escuridão, na desesperança e no isolamento do mundo”, lembra.

A passagem por Timor-Leste durante três dias faz parte da viagem mais longa de Francisco até ao momento, que inclui passagens pela Indonésia, Papua-Nova Guiné e Singapura.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+