Tempo
|
A+ / A-

​Transexuais podem ser batizados, ser padrinhos ou madrinhas, esclarece Vaticano

09 nov, 2023 - 09:17 • Aura Miguel

O Dicastério para a Doutrina da Fé publicou um texto, com data de 31 de outubro e assinado pelo Papa e pelo cardeal argentino Víctor Manuel Fernández, Prefeito para a Doutrina da Fé, em resposta a perguntas sobre a participação em batismos e casamentos de pessoas transexuais e homossexuais.

A+ / A-

O Vaticano esclarece que um transexual pode ser batizado “como os demais fiéis”, ser testemunha de casamento e ser padrinho ou madrinha de batismo, desde que “não haja risco de gerar escândalo público ou desorientar os fiéis”.

O Dicastério para a Doutrina da Fé publicou um texto, com data de 31 de outubro e assinado pelo Papa e pelo cardeal argentino Víctor Manuel Fernández, Prefeito para a Doutrina da Fé, em resposta a perguntas sobre a participação em batismos e casamentos de pessoas transexuais e homossexuais.

As perguntas foram levantadas pelo bispo brasileiro D. José Negri, de Santo Amaro, e as respostas do cardeal Fernandez repropõem os conteúdos fundamentais do que já tinha sido afirmado sobre esta matéria num documento de dezembro de 2018.

Assim, “um transexual, que tenha sido submetido a tratamento hormonal ou cirurgia de redesignação sexual, pode receber o batismo nas mesmas condições que o resto dos fiéis”, lê-se na resposta publicada.

“No caso de crianças ou adolescentes com problemas de natureza transexual, se estiverem bem preparados e dispostos poderão receber o batismo”. O documento recorda, no entanto, que se houver dúvidas “sobre a situação moral objetiva” de uma pessoa, a Igreja ensina que “quando o sacramento é recebido sem arrependimento pelos pecados graves, o sujeito não recebe a graça santificante apesar de receber o seu caráter sacramental”.

No caso de duas pessoas homoafetivas aparecerem como pais de uma criança que deve ser batizada e que foi adotada ou obtida através de outros métodos, como barriga de aluguer, o Dicastério responde: “para que uma criança seja batizada deve haver uma esperança fundada de que será educada na religião católica”.

Sobre a questão de saber se um transexual pode ser padrinho ou madrinha de batismo, a resposta é mais complexa. “Sob certas condições, o papel de padrinho ou madrinha poderá ser aceite para um transexual adulto que também tenha sido submetido a tratamento hormonal ou cirurgia de redesignação sexual”, lê-se no documento. “Mas, como não constitui um direito, a prudência pastoral exige que não seja permitido quando há perigo de escândalo, de legitimação indevida ou de desorientação no âmbito educativo da comunidade eclesial”.

Neste contexto, sublinham-se que o direito canónico determina que “aqueles que possuem a atitude e levam uma vida de acordo com a fé e a responsabilidade que assumem podem ser padrinhos ou madrinhas”. E que “a devida prudência pastoral exige que cada situação seja considerada sabiamente para proteger o sacramento do batismo e sobretudo a sua receção”.

O cardeal Fernandez pede, no entanto, que se considere o “real valor” que a comunidade eclesial atribui aos papéis de padrinho e madrinha e que se tenha em conta “a possibilidade” de que alguém do círculo familiar responsabilizar-se como “fiador”, para a “correta transmissão” da fé católica aos batizados.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Gonçalo Sena
    10 nov, 2023 Lisboa 11:56
    Esperava da Aura Miguel esclarecimento e não difusão do erro e da confusão. Como se pode ter fundada esperança que duas pessoas em união homoafectiva ensinem a fé católica? Vão ensinar a criança contra o seu próprio modo de vida? É razoável esperar isso? E o transexual, aceita no baptismo que todos os seus actos e procedimentos transexuais são pecado, está arrependido e decidido a mudar? Não podia a Aura Miguel explicar estas condições para a validez do baptismo, e não alimentar a confusão que reina na Igreja? Jornalismo é sobretudo mostrar a verdade, e não apenas factos que seguramente serão mal entendidos por muitos.
  • Petervlg
    09 nov, 2023 Trofa 16:17
    Então uma pessoa e batizada e pode ser batizada novamente?
  • anabela de oliveira
    09 nov, 2023 bragança 13:53
    Mas impedem se jovens cristaos batizados com comunhao de serem padrinhos pq nao tem crisma. Enfim.
  • António Costa
    09 nov, 2023 Porto 13:26
    Lúcidos.

Destaques V+