A+ / A-

Sacerdote assassinado a tiro no Burkina Faso

06 jan, 2023 - 08:12 • Olímpia Mairos

O assassinato do padre Zerbo foi precedido por um ato de enorme violência na região de Boucle du Mouhoun, no noroeste do país.

A+ / A-

O padre Jacques Yaro Zerbo, de 67 anos, foi assassinado a tiro na segunda-feira, 2 de janeiro, no Burkina Faso.

O sacerdote, natural do Mali, estava há mais de três décadas ao serviço da diocese de Dédougou.

Nos últimos anos, destacou-se pela criação de um centro de reeducação juvenil na região de Tougan, que mais tarde teve de ser deslocado para Moundasso devido aos ataques terroristas. Era também responsável pela comissão diocesana que está a fazer o acompanhamento da causa de beatificação de Dii Alfred Diban Ko-Zerbo.

A morte foi anunciada com “profundo pesar" pelo bispo da diocese, D. Prosper Bonaventure Ky, num comunicado enviado para a Fundação AIS Internacional. A nota acrescenta que o sacerdote foi assassinado “por homens armados não identificados” em Soro, na região noroeste do Burkina Faso.

“Que o Senhor, na sua infinita misericórdia, acolha o seu servo no seu descanso eterno”, escreveu o bispo.

O funeral do padre Jacques Yaro Zerbo realizou-se ontem, dia 5, na Catedral de Santa Ana, seguido do enterro no cemitério de Tionkuy.

Relatos publicados, entretanto, na imprensa local, dão conta que na região onde o padre Zerbo foi assassinado “são muito frequentes os ataques terroristas”.

O assassinato do padre Zerbo foi precedido por um ato de enorme violência na região de Boucle du Mouhoun, no noroeste do país.

“Pelo menos 28 pessoas foram mortas no final do ano entre a noite de sexta-feira, 30 de dezembro, e o dia de sábado, 31, em “retaliação”, segundo relatado na imprensa, após um ataque “terrorista” na cidade de Nouna, capital da Província de Kossi”, escreve a AIS.

Burkina Faso atravessa um período de instabilidade que decorre de sucessivos golpes militares. O mais recente foi em 30 de setembro do ano passado, apenas oito meses após o tenente-coronel Damiba ter tomado o poder do ex-presidente Kaboré. O novo homem forte do país é, agora, o capitão Ibrahim Traoré.

“O ambiente de insegurança que se vive no Burkina Faso não é indiferente às atividades terroristas, quase sempre com a marca do Islão radical, que sobressaltam também países vizinhos como o Níger ou a Nigéria. Em toda esta vasta região de África estão ativos diversos grupos jihadistas ligados à Al Qaeda ou ao Isis, o Estado Islâmico”, assinala a fundação pontifícia.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+