Tempo
|
A+ / A-

CEP. Situações como as de Odemira são "atentado à dignidade humana"

12 mai, 2021 - 18:26 • Lusa

Conferência Episcopal Portuguesa apela a que a situação dos trabalhadores migrantes não caia no esquecimento.

A+ / A-

O porta-voz da Conferência Episcopal Portuguesa (CEP), o padre Manuel Barbosa, classificou hoje de "atentado à dignidade humana" situações como as vividas em Odemira com trabalhadores do setor agrícola, muitos deles imigrantes, e pediu que não sejam esquecidas pelas autoridades.

"O apelo da conferência, da Igreja local, tem sido nesse sentido, que não se esqueçam, antes pelo contrário, se tome isso a peito, porque são situações de atentado à dignidade humana", afirmou o padre aos jornalistas em Fátima, após a reunião do Conselho Permanente da CEP.

O padre Manuel Barbosa recordou que, em novembro de 2018, a Assembleia Plenária da CEP já tinha deixado este apelo.

"A assembleia manifestou preocupação com as notícias acerca do tráfico de pessoas, escravatura e exploração humana, também no nosso país, e pede a maior atenção das autoridades e da sociedade a este problema", recordou, citando o comunicado divulgado na ocasião.

Questionado sobre a forma como a Igreja Católica tem passado esta mensagem, o porta-voz mostrou-se convicto de que, "certamente, essa voz da Igreja é ouvida".


O padre Manuel Barbosa lembrou que os bispos, os padres, os leigos e várias organizações têm manifestado a sua preocupação com a situação dos trabalhadores.

"Esperemos que as coisas se resolvam e que esta situação seja ultrapassada", frisou.

Segundo o porta-voz da CEP, "localmente, a própria Igreja, as comissões a nível paroquial, têm feito um grande apoio a essas pessoas".

"A nível jurídico não tenho conhecimento, mas certamente também haverá [apoios]. É preciso o trabalho continuar e cabe às autoridades assumir isso", acrescentou.

Hoje, foi levantada a cerca sanitária em Longueira-Almograve e São Teotónio que tinha sido decretada no dia 29 de abril, devido à elevada incidência de casos de covid-19, sobretudo em trabalhadores do setor agrícola, muitos deles imigrantes.

Os casos detetados na pandemia entre os imigrantes que trabalham na agricultura denunciaram as condições desumanas em que vivem.

Após a cerca sanitária, o Governo determinou a requisição civil do empreendimento Zmar, em Odemira, para alojar pessoas em confinamento obrigatório ou permitir o seu "isolamento profilático", tendo os moradores apresentado uma providência cautelar que foi aceite pelo tribunal.

Entretanto, 49 imigrantes que trabalham na agricultura na região foram realojados no Zmar (21) e na Pousada da Juventude de Almograve (28), numa operação que decorreu de madrugada quinta-feira e que alguns acusam de ter sido feita com recurso a uso excessivo de força.

No domingo, 23 dos 49 trabalhadores agrícolas imigrantes que se encontravam no complexo turístico Zmar e na Pousada da Juventude de Almograve foram realojados em residências disponibilizadas por 12 empresas agrícolas.

Tópicos
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+