A+ / A-

Papa: “É uma vergonha recusar ajuda aos que morrem no Mediterrâneo”

25 abr, 2021 - 12:47 • Aura Miguel

Mensagem deixada no final da oração Regina Coeli neste "domingo do Bom Pastor”, em que Francisco apelou diretamente aos padres: "Sejam pastores e não empresários.”

A+ / A-
Papa recorda 130 migrantes afogados no Mediterrâneo. "Rezemos por aqueles que podem ajudar, mas olham para o lado"
Papa recorda 130 migrantes afogados no Mediterrâneo. "Rezemos por aqueles que podem ajudar, mas olham para o lado"

“Confesso-vos que estou muito triste com a tragédia que, uma vez mais, aconteceu há dias no Mediterrâneo”, desabafou o Papa esta manhã, referindo-se à morte de 130 migrantes que morreram no mar. “São pessoas. São vidas humanas que, durante dois dias inteiros, pediram ajuda, em vão. Uma ajuda que não chegou”.

No final da oração Regina Coeli, proferida na janela do Palácio Apostólico, Francisco convidou todos a interrogarem-se sobre esta “enésima tragédia”, classificando-a como “o momento da vergonha”. E pediu para se rezar pelos que morreram “e continuam a morrer nestas dramáticas viagens”, bem como “por aqueles que podem ajudar, mas preferem olhar para outro lado”.

O Papa também se mostrou solidário com as 82 vítimas de um incêndio num hospital de Bagdad e não esqueceu a população das ilhas Saint Vincent e Granadinas, afetadas por sucessivas erupções vulcânicas.

“Padres: sejam pastores e não empresários”

Ainda neste domingo, que a Igreja celebra como “domingo do Bom Pastor”, Francisco ordenou nove sacerdotes. Durante a homilia, o Santo Padre pediu-lhes que se afastem da vaidade, do orgulho e do dinheiro.

“O diabo entra ‘pelos bolsos’. Pensem nisto. Sede pobres, porque os santos fiéis de Deus são pobres. Pobres que amam os pobres”, alertou o Papa. “Não sejam arrivistas… a ‘carreira eclesiástica’... depois, tornas-te funcionário, e quando um sacerdote começa a ser empresário, tanto na paróquia como no colégio, onde quer que seja, perde aquela proximidade com o povo, perde aquela pobreza que o torna semelhante ao Cristo pobre e crucificado. E torna-se sacerdote-empresário, e não servo.”

Para reforçar este alerta, Francisco contou um episódio relacionado com um destes “padres-empresários” que, ao ver que um dos seus funcionários mais velhos tinha cometido um erro, gritou com ele e mandou-o embora. “E aquele idoso morreu por causa disso… aquele homem tinha sido ordenado sacerdote e acabou como empresário impiedoso”, disse o Papa. “Guardem sempre esta imagem: sirvam como pastores e não como empresários. E afastem-se do dinheiro.”

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+