A+ / A-

Vaticano: “Bastou um simples vírus para nos recordar que somos mortais”

10 abr, 2020 - 18:33 • Aura Miguel

Reflexões do padre Cantalamessa, perante o Papa, esta sexta-feira, no Vaticano.

A+ / A-

Veja também:


Francisco meditou esta à tarde na Paixão e morte de Cristo, a partir das reflexões do pregador da Casa Pontifícia, como habitualmente acontece na Sexta-Feira Santa. Desta vez, com a Basílica de São Pedro vazia de fiéis.

“A pandemia de coronavírus despertou-nos bruscamente do perigo maior que sempre correram os indivíduos e a humanidade: o do delírio de onipotência”, afirmou o padre Cantalamessa.

“Bastou o menor e mais informe elemento da natureza, um vírus, para nos recordar que somos mortais e que o poderio militar e a tecnologia não bastam para nos salvar.”

E como o vírus não conhece fronteiras, “num segundo, abateu todas as barreiras e distinções de raça, de religião, de censo, de poder”.

Mas, apesar de tudo, o padre Cantalamessa retira aspetos positivos desta pandemia: “Não devemos voltar atrás quando este momento tiver passado. Como tem nos exortado o Santo Padre, não devemos desperdiçar esta ocasião. Não deixemos que tanta dor, tantas mortes, tanto esforço heroico por parte dos profissionais de saúde tenha sido em vão. É esta a “recessão” que mais devemos temer.”

Na sua reflexão, o pregador da Casa Pontifícia pediu “um basta à trágica corrida às armas” e lançou um apelo aos jovens: “Vocês gritam com todas as vossas forças porque é, acima de tudo, o vosso destino que está em jogo. Destinemos os intermináveis recursos gastos em armas para finalidades mais necessárias e urgentes na actual situação: a saúde, o saneamento, a alimentação, o cuidado da criação”. E conclui: “Deixemos à geração que virá, se necessário, um mundo mais pobre de coisas e dinheiro, porém mais rico de humanidade.”

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+