32,08%
8 Deputados
31,11%
7 Deputados
9,79%
2 Deputados
9,07%
2 Deputados
4,26%
1 Deputados
4,12%
1 Deputados
3,76%
0 Deputados
1,22%
0 Deputados
2,62%
0 Deputados
  • Freguesias apuradas: 3092 de 3092
  • Abstenção: 63,48%
  • Votos Nulos: 0,77%
  • Votos em Branco: 1,20%

A+ / A-

Aguiar-Branco eleito à quarta votação. Novo presidente do Parlamento defende mudanças após impasse

27 mar, 2024 - 16:04 • Cristina Nascimento , Ricardo Vieira

O social-democrata José Pedro Aguiar-Branco é o novo presidente do Parlamento. Dentro de dois anos será indicado um nome pelo PS.

A+ / A-

À quarta votação, os deputados aprovaram esta quarta-feira uma inédita presidência repartida da Assembleia da República entre PSD e PS.

O social-democrata José Pedro Aguiar-Branco é o novo presidente do Parlamento. Dentro de dois anos será indicado um nome pelo PS.

No total, votaram 228 dos 230 deputados. O nome de Aguiar-Branco venceu com 160 votos a favor, o candidato do Chega Rui Paulo Sousa recebeu 50 votos favoráveis.

Há ainda registo de 18 votos em branco e nenhum nulo.

No seu primeiro discurso, o agora eleito presidente do Parlamento, Aguiar-Branco, sugeriu, em primeiro lugar, que sejam revistos os mecanismos de eleição do presidente da Assembleia da República, para evitar novos impasses.

"O voto de cada português merece igual respeito", afirmou Aguiar-Branco.

Aguiar-Branco começou por agradecer ao deputado comunista António Filipe pela “elevada competência e sentido de Estado e dignidade” com que dirigiu os trabalhos do parlamento até à sua eleição, o que mereceu uma longa ovação do plenário.

“Se alguma coisa o dia de ontem nos ensinou é que não devemos desistir da democracia. Eu não desisto”, assegurou.

"House of Cards" à portuguesa. Acordo inédito salva eleição do presidente do Parlamento
"House of Cards" à portuguesa. Acordo inédito salva eleição do presidente do Parlamento
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+