A+ / A-

Legislativas 2024. Resultados publicados em Diário da República confirmam vitória da AD

23 mar, 2024 - 10:34 • Lusa

Ad com 28,83% dos votos e 80 deputados. PS com 27,98% e 78 deputados. A publicação em Diário da República do mapa oficial com os resultados determina que a primeira reunião da Assembleia da República da nova legislatura se realize na próxima terça-feira, dia 26.

A+ / A-

A Aliança Democrática (AD) venceu as eleições legislativas de 10 de março com 28,83% dos votos e 80 deputados, de acordo com o mapa oficial este sábado publicado em Diário da República, que manteve a distribuição de mandatos já divulgada.

O PS foi o segundo partido mais votado com 27,98% e 78 deputados.

O total da AD resulta da soma do resultado da coligação PSD/CDS/PPM no Continente e Açores – 28,01% e 77 deputados - ao obtido pela coligação PSD/CDS na Madeira, com 0,82% e três deputados.

A Comissão Nacional de Eleições (CNE) fez publicar hoje em Diário da República o mapa oficial com os resultados das eleições e a relação dos deputados eleitos para a Assembleia da República, depois de os resultados provisórios da Secretaria-Geral do Ministério de Administração Interna - Administração Eleitoral terem sido divulgados já na madrugada de quinta-feira, quando foi concluída a contagem dos círculos da emigração.

Este mapa da CNE inclui os votos e percentagens das 18 forças políticas que concorreram às legislativas nos 22 círculos eleitorais, apresentando as percentagens face ao número de votos expressos, excluindo brancos e nulos, ao contrário dos resultados divulgados pelo Ministério da Administração Interna na internet.

Segundo o cálculo da Agência Lusa que engloba os votos expressos, brancos e nulos, as duas coligações lideradas pelo PSD obtiveram 1.866.984 votos, correspondentes a 28,83% do total, elegendo 80 deputados (78 do PSD e 2 do CDS-PP).

O PS ficou em segundo lugar, com 1.812.443 votos, 27,98% do total (29,26% dos votos expressos), elegendo 78 deputados.

O universo eleitoral era de 10.813.643 inscritos e votaram 6.476.952 eleitores, tendo-se registado uma taxa de abstenção de 40,1%. O número de votos em branco foi 89.847, 1,39%, e os votos nulos foram 192.396, 2,97%.

Em terceiro lugar, ficou o Chega, com 1.169.781 votos, 18,06% do total, (18,88% dos votos expressos), e 50 deputados, seguindo-se, em quarto lugar, a IL, com 319.877 votos, 4,94% do total, (5,16% dos votos expressos), e oito deputados.

O BE é a quinta força política, com 282.314 votos, 4,36% do total (4,56% dos votos expressos), e cinco deputados, e a sexta força política é a CDU (PCP e Verdes), com 205.551 votos, 3,17% do total (3,31% dos votos expressos), e quatro deputados.

Segue-se o Livre, também com quatro deputados, e 204.875 votos, 3,16% do total (3,31% dos votos expressos), o CDS-PP com dois deputados (sendo impossível calcular que percentagem de votos lhe cabe, dado que concorreu em coligação com o PSD) e o PAN com uma deputada única, 126.125 votos, 1,95% do total (2,04%% dos votos expressos).

As restantes onze forças políticas concorrentes não obtiveram representação parlamentar.

A vitória mais "curta" em Democracia

A margem da vitória da AD nas eleições de 10 de março foi de 54 mil votos ou 0,85 pontos percentuais. Números exatos: 1.866.984 contra os 1.812.443 do PS, uma diferença de 54.541 votos.

A maior diferença de votos entre os dois partidos - PSD e PS - aconteceu em 1987, quando Cavaco Silva conseguiu a sua primeira maioria absoluta. Nessas eleições, em julho, os sociais-democratas recolheram 2.850.784 votos e os socialistas 1.262.506. Ou seja, a diferença foi de mais de 1,5 milhões de votos.

Em 10 de março, o PS, com 27,98%, teve o seu pior resultado, em termos percentuais, desde 1987, ano em que obteve 22,2%. Em 2011, os socialistas, com José Sócrates, conseguiram 28,06%, mais oito décimas do que nas eleições mais recentes.

Segundo os resultados da CNE, a AD de Luís Montenegro, com PSD, CDS e PPM, com 28,83%, teve a uma percentagem idêntica à que o PSD em 2005, quando concorreu sozinho sob a liderança de Manuela Ferreira Leite.

Nas legislativas de 10 de março, o Chega foi a terceira força política e obteve 18,06%, com 50 mandatos no novo parlamento.

A Iniciativa Liberal (IL) obteve 4,94% dos votos, com oito deputados, seguida do Bloco de Esquerda, com 4,36% e cinco deputados.

Também elegeram deputados o PCP, com 3,17% e quatro deputados, os mesmos que o Livre, com 3,16%. O partido Pessoas-Animais-Natureza (PAN) manteve a sua deputada, com 1,95%.

Comparando com as eleições de 2022, e somando a votação dos partidos da coligação, a AD ganhou 159 mil votos. O PS perdeu 490 mil e o Chega obteve mais 770 mil. O BE subiu 31 mil votos, o Livre aumentou a votação em 133 mil e o PAN conseguiu mais 37 mil. Em perda esteve a CDU (PCP/PEV), com menos 31 mil votos.

Parlamento reúne na terça-feira

A publicação em Diário da República do mapa oficial com os resultados das eleições legislativas de 10 de março determina que a primeira reunião da Assembleia da República da nova legislatura se realize na próxima terça-feira, dia 26.

Após a publicação do mapa oficial em Diário da República, "a Assembleia da República reúne por direito próprio no terceiro dia posterior ao apuramento dos resultados gerais das eleições", conforme estabelece o artigo 173.º da Constituição.

A próxima terça-feira já era a data apontada como provável para o arranque da nova legislatura, tendo até na sexta-feira sido convocada a conferência de líderes para segunda-feira às 15:00, que terá como ponto único a “preparação da XVI legislatura”.

Na primeira sessão, os deputados irão eleger o próximo presidente da Assembleia da República, que sucederá ao socialista Augusto Santos Silva, que falhou a eleição pelo círculo Fora da Europa nas últimas legislativas.

A primeira reunião plenária da XVI legislatura - com nove partidos representados, mais um do que na anterior, o CDS-PP – divide-se em duas partes, uma de manhã e outra à tarde.

Segundo a súmula da última conferência de líderes, divulgada na quinta-feira, os trabalhos da primeira sessão terão início às 10:00 “e, de acordo com a praxe parlamentar, o líder do maior grupo parlamentar convida um deputado para presidir e conduzir os trabalhos”.

Como a essa hora não haverá ainda presidente da AR eleito e o presidente cessante, Augusto Santos Silva, não foi eleito deputado, caberá ao partido mais votado, o PSD, convidar um dos vice-presidentes cessantes que tenha sido reeleito, ou o deputado mais antigo, a dirigir os trabalhos.

A única vice-presidente cessante reeleita foi a deputada socialista Edite Estrela, que na passada legislatura presidiu aos trabalhos do primeiro plenário.

O deputado indicado para presidir e conduzir os trabalhos da primeira sessão convidará, de seguida, dois deputados para secretários da mesa provisória “que podem ser os que desempenharam essa função na legislatura precedente e que tenham sido eleitos, sendo um de cada um dos maiores grupos parlamentares”, PS e PSD.

Após a aprovação da resolução que aprova a comissão eventual de verificação de poderes, os trabalhos serão interrompidos e novamente retomados às 15:00, altura em que será eleito o novo presidente do parlamento.

A conferência de líderes irá decidir na segunda-feira se na primeira sessão se fará apenas a eleição do novo presidente da AR ou também da mesa – composta por quatro vice-presidentes, quatro secretários e quatro vice-secretários - e do novo conselho de administração.

Pela primeira vez, após alterações ao regimento introduzidas na última legislatura, os deputados terão que assinar um termo de posse, no qual afirmam solenemente que irão desempenhar fielmente as funções em que ficam investidos e defender, cumprir e fazer cumprir a Constituição da República Portuguesa.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • ze
    23 mar, 2024 aldeia 13:44
    Este psd é mais centro-esquerda que de direita, ou coliga-se com o outro ps e seguem durante 4 anos o mesmo rumo de sempre desde hÁ 50 anos,para irem mantendo os seus tachos, e não desenvolverem Portugal ou então este governo não durará até até ao fim do ano.Portugal precisa mesmo e urgentemente de novas politicas e de politicos com sentido de estado para o desenvolvimento do país e da melhoria de muitos milhares de portugueses.

Destaques V+