A+ / A-

Santos Silva assume "derrota honrosa" do PS e pede à AD para não "fingir penálti"

17 mar, 2024 - 11:06 • Diogo Camilo

O ainda presidente da Assembleia da República, que espera pelos resultados na emigração para saber se volta ao Parlamento, defende que o PS deve “assumir a liderança da oposição”, mas sem "ser do contra", defendendo acordos pontuais com a AD.

A+ / A-

Ainda sem conhecer os resultados da emigração e se continua no Parlamento, o ainda presidente da Assembleia da República, Augusto Santos Silva, admite a derrota do PS nas eleições do passado domingo e diz que o partido deve “assumir a liderança da oposição”, mas que deve estar disponível a acordos pontuais com a AD.

Em artigo de opinião no jornal Público, Santos Silva fala numa “derrota honrosa” do Partido Socialista e não esquece que o Governo de António Costa foi “demitido por intervenção judicial”, considerando estas umas eleições “desnecessárias forçadas pelo Presidente da República”.

Dois dias após as eleições, em declarações à Renascença, Santos Silva já tinha considerado que deve ser o PS a liderar a oposição à AD, e não o Chega.

"“Há matérias que, pela sua importância, aconselham a que haja diálogo, cedência mútua, negociação e compromisso entre os dois partidos, ou entre o Governo e a oposição. Uma área que está mesmo a pedir isso é área da justiça. Portanto, um ser governo e o outro ser oposição não significa que não se entendam nas áreas em que é preciso entender-se e não significa que radicalizem as suas posições, quando as suas posições são tradicionalmente próximas”, declarou na altura.

No artigo de opinião, a segunda figura de Estado refere que, ainda assim, o PS “segurou a base eleitoral e reafirmou o seu papel-chave no sistema partidário português”.

Com o resultado das eleições, considera, o partido deve “assumir a liderança da oposição”, com “toda a clareza”, mas sem “ser do contra”, defendendo compromissos úteis “na área da justiça , ou indispensáveis, face à União Europeia ou até em finanças públicas, desde que salvaguardados pontos críticos fundamentais”.

Referindo a descida da abstenção como uma “boa notícia” e pedindo que seja respeitado o voto de 1,1 milhões que votaram no Chega, Santos Silva diz que a AD obteve uma “vitória política” pela margem mínima. “Espera-se que efetivamente governe e que não se atire logo para o chão, à primeira oportunidade, a fingir penálti”, afirma.

Santos Silva é o cabeça de lista do PS pelo círculo de Fora da Europa e arrisca ficar fora do Parlamento, nos resultados que estão ainda por conhecer.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Anastácio José Marti
    18 mar, 2024 Lisboa 12:27
    Que moral tem este sujeito para vir pedir à AD para não fingir penalti, quando ele, nomeado pelo PS para o cargo que exerceu, esteve sempre fora de jogo? O Chega e os seus deputados que o digam a quem foi feita uma marcação a toda a linha. Quem teve o comportamento que este sujeito teve, sem isenção alguma como lhe era exigido, querer vir agora pedir aos outros que não façam o que ele sempre fez, só demonstra, falta de vergonha, de honestidade intelectual e de responsabilidade e segue o princípio do olhem para o que eu digo e não para o que eu faço.
  • ze
    17 mar, 2024 aldeia 11:33
    Mais uma triste figura que não deixa saudades na politica.

Destaques V+