Emissão Renascença | Ouvir Online
A+ / A-

LEGISLATIVAS 2024

IL insiste para que Estado disponibilize todas as casas vazias com renda acessível

19 fev, 2024 - 14:42 • Lusa

O líder da Iniciativa Liberal falou junto de um edifício devoluto que pertence à Segurança Social, com o objetivo de "denunciar um exemplo de desperdício de património do Estado".

A+ / A-

O líder da Iniciativa Liberal, Rui Rocha, insistiu hoje que o Estado deve disponibilizar todos os imóveis devolutos que possui para resolver o problema da habitação em Portugal, colocando-os no mercado com renda acessível.

"Portugal precisa de mais casas. Nós vivemos uma crise de habitação e uma das formas de trazer mais casas para os portugueses é que os imóveis que são propriedade do Estado, que estão vazios, muitos deles abandonados, venham para o mercado, por exemplo, para soluções de renda acessível", afirmou Rui Rocha.

O líder da Iniciativa Liberal falava aos jornalistas ao final da manhã em Odivelas, junto a edifício devoluto que pertence à Segurança Social, pretendendo "denunciar um exemplo de desperdício de património do Estado.

"Este imóvel tem seis andares e está abandonado há muitos anos e neste momento não serve para nada. Queremos que este tipo de imóveis possam ser licitados por quem entenda recuperá-los e os possam por depois ao serviço dos portugueses", defendeu.

Rui Rocha foi também questionado pelos jornalistas sobre o debate de hoje à noite que vai colocar frente a frente Pedro Nuno Santos (PS) e Luís Montenegro (AD), considerando que será uma discussão entre quem não quer "mudar nada" e quem quer "mudar pouco".

"O que eu sei é que logo à noite temos de um lado mais do mesmo (PS) e do outro quem quer mudar pouco (AD). A transformação necessária do país hoje não está naquela mesa. Está aqui na Iniciativa Liberal", afirmou Rui Rocha.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+