Tempo
|
A+ / A-

Pedro Nuno Santos sobre cenários de governação: "Se houver condições para liderarmos uma maioria, assim será"

03 dez, 2023 - 21:12 • Lusa

O candidato à liderança do PS disse que "os cenários são possíveis", mas salientou que aquele em que está focado é numa vitória", com a "certeza de trabalhar para construir uma solução de governo".

A+ / A-

O candidato à liderança do PS Pedro Nuno Santos afirmou hoje que o seu foco é "vencer as eleições", mas indicou que se houver condições para os socialistas liderarem uma maioria após as legislativas, "assim será".

"O nosso foco é vencer as eleições, é sobre esse cenário que trabalhamos. Não trabalhamos sobre mais nenhum cenário, com a certeza de que o PS depois das eleições fará tudo para construir uma maioria de Governo em Portugal", afirmou.

Pedro Nuno Santos falava aos jornalistas antes de um encontro com jovens, em Lisboa, e foi questionado sobre os cenários de governação caso o PS não vença as eleições, mas exista uma maioria parlamentar de esquerda.

"O que aconteceu em 2015 [a geringonça] teve, como é sabido, todo o meu apoio, e se houver condições para liderarmos uma maioria, assim será", garantiu.

O candidato à liderança do PS disse que "os cenários são possíveis", mas salientou que aquele em que está focado é numa vitória", com a "certeza de trabalhar para construir uma solução de governo".

O antigo ministro das infraestruturas quis também recusar a ideia de que "os portugueses preferem" José Luís Carneiro à frente do PS.

"Aquilo que nós sabemos do ponto de vista interno é que a nossa candidatura tem conseguido mobilizar a maioria esmagadora dos nossos militantes, mas sabemos também, daquilo que são os métodos mais científicos que temos ao nosso dispor, que a maioria dos portugueses prefere a nossa candidatura e o nosso projeto", salientou.

Pedro Nuno Santos disse que, de quatro sondagens, a sua candidatura está "claramente à frente" em três, e na outra é "a candidatura preferida do eleitorado que votou o Partido Socialista em 2022".

"Portanto, daquilo que nós podemos saber com alguma certeza é que, ao contrário daquilo que diz o meu adversário interno e o próprio PSD, a maioria do povo português prefere a nossa candidatura e o nosso projeto", defendeu.

O candidato apontou ainda que tanto José Luís Carneiro como o PSD tentam classificá-lo como radical, mas que "há muita confusão em Portugal entre ser radical e ter convicções".

"Eu queria dizer que eu não sou nem radical nem moderado, eu sou socialista, ponto número um, e, ponto número dois, tenho convicções. E é no quadro da responsabilidade que quero concretizar essas convicções. Não é radicalismo, é ter convicções", salientou.

O deputado socialista recusou também ser impulsivo, referindo que "arrastar os pés" não é uma característica sua, e indicou tratar-se de "capacidade de decisão".

Pedro Nuno Santos desvalorizou ainda o apoio do líder parlamentar do PS, Eurico Brilhante Dias, ao seu opositor José Luís Carneiro: "Cada deputado vale um voto, nós temos dois terços, isso é o mais importante".

Às eleições diretas socialistas de 15 e 16 de dezembro apresentaram-se até agora três candidatos, o atual ministro da Administração Interna, José Luís Carneiro, o ex-ministro das Infraestruturas Pedro Nuno Santos e Daniel Adrião, dirigente da linha minoritária de oposição ao atual secretário-geral, António Costa.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+