Emissão Renascença | Ouvir Online
A+ / A-

Extrema-direita nos Países Baixos

Portugal não é exceção à “tendência generalizada” de crescimento dos partidos mais à direita

23 nov, 2023 - 12:30 • André Rodrigues

Especialista em assuntos europeus Paulo Almeida Sande admite que o crescimento da extrema direita na Europa representa um risco, mas sublinha as diferenças entre o discurso em campanha eleitoral e a responsabilidade de governar. Vitória do Partido da Liberdade nos Países Baixos revela uma "tendência que veio para ficar".

A+ / A-

A possibilidade de o Chega integrar uma solução de poder em Portugal pode ser uma realidade já nas eleições legislativas antecipadas de 10 de março, admite à Renascença Paulo Almeida Sande, especialista em assuntos europeus.

Comentando a vitória da extrema-direita nas eleições legislativas dos Países Baixos e o aplauso unânime de vários líderes populistas da União Europeia - André Ventura incluído - Paulo Almeida Sande considera que há uma “tendência generalizada” de crescimento dos partidos mais à direita e que “Portugal não é exceção”.

“Muitas vezes, Portugal continua a ser visto como um país de brandos costumes, quando, na realidade, isso já não corresponde completamente à verdade”, respondeu, quando questionado sobre a possibilidade de o Chega se constituir como solução para viabilizar uma solução governativa.

Paulo Almeida Sande diz não ter dúvidas: “mais cedo, ou mais tarde, vai certamente acontecer... só não sei é se será já nas eleições de março”.

Este especialista em assuntos europeus lembra que “o Chega já disse que só aceitará apoiar uma solução à direita se fizer parte da solução do Governo. Portanto, não tenho dificuldade em ver uma evolução desses partidos e de os ver como solução de governo”.

Questionado diretamente sobre eventuais consequências para a qualidade da democracia, Almeida Sande admite que, “naturalmente, existem”, mas também considera que temos assistido na Europa a uma “normalização deste tipo de soluções”.

Contudo, este professor universitário assinala a diferença entre a retórica de campanha e “o choque de realidade” que são responsabilidades governativas.

Desse ponto de vista, a Itália é um bom exemplo de como uma candidata a primeira-ministra utilizou um discurso xenófobo e crítico da União Europeia em contexto de campanha para, depois, “tornar a sua agenda mais aceitável, do ponto de vista da sua concretização”.

Em Portugal, prossegue Paulo Almeida Sande, não deverá ser muito diferente: “atualmente, há na Europa tendências iliberais, mas esses partidos, quando chegam ao poder, nunca chegam aos extremos. As suas propostas vão até ao limite do possível, mas não passam daí”.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+