Emissão Renascença | Ouvir Online
A+ / A-

PCP considera que negócio da Efacec é "tão evidente" que não justifica comissão de inquérito

03 nov, 2023 - 14:07 • Lusa

O Chega e a Iniciativa Liberal já anunciaram que vão propor a constituição de uma comissão parlamentar de inquérito à privatização da Efacec.

A+ / A-

O secretário-geral do PCP considerou esta sexta-feira que o processo de privatização da Efacec é "tão evidente" que não justifica uma comissão de inquérito e disse temer que o negócio seja "uma antecâmara" do que se quer fazer na TAP.

"A questão da Efacec é tão evidente, tão evidente, que eu não estou a ver para que é que se vai perder tempo numa comissão de inquérito", afirmou Paulo Raimundo em declarações aos jornalistas à frente do centro de saúde de Odivelas, em Lisboa.

O Chega e a Iniciativa Liberal já anunciaram que vão propor a constituição de uma comissão parlamentar de inquérito à privatização da Efacec, tendo o PSD igualmente admitido avançar com essa proposta caso o Governo não esclareça todos os detalhes do negócio.

O dirigente do PCP sublinhou que, na última comissão de inquérito à TAP, discutiu-se "tudo e um par de botas" menos o negócio de privatização, e acrescentou que, se for criada uma comissão sobre a Efacec com o mesmo propósito, não vale a pena "estar a perder tempo".

"Há outros entretenimentos que valem mais a pena. Se for para clarificar este crime económico que está em curso, se calhar vale a pena. Mas a questão não é essa: eu acho que é tão evidente e simples que não estou a ver necessidades de grandes investigações", reiterou.

Paulo Raimundo reafirmou que a privatização da Efacec é um "crime económico e político" e um "filme que já se viu", em que o Governo investe numa empresa - que "está limpa, tem contratos, está regularizada, capitalizada e é das mais importantes a nível mundial no seu setor" - e "dá a um grupo alemão".

O secretário-geral do PCP reforçou que o Governo "investe, limpa e capitaliza a empresa, e depois pega nela e entrega-a de mão beijada a um investidor alemão, que a compra a empresa com o dinheiro da empresa", referindo que é o mesmo tipo de negócio que foi feito na TAP.

"É extraordinário. Se eu tivesse 60 milhões de euros, para dar como caução, eu também comprava a empresa. Assim é fácil: com o dinheiro dos outros, é fácil", referiu.

Paulo Raimundo disse que a sua maior preocupação é saber se a privatização da Efacec "não é uma antecâmara do negócio que se quer fazer para a TAP".

"Mas isso, cá estaremos. Ainda confiamos que é possível combater a privatização da TAP, que é possível parar este estrondoso crime económico, mas vamos lá ver se não é isso que se vai repetir", referiu. .

Nestas declarações aos jornalistas, Paulo Raimundo foi ainda questionado sobre um negócio imobiliário envolvendo um centro de trabalho do PCP em Aveiro - que foi noticiado esta quinta-feira pelo Diário de Notícias e que, segundo o jornal, pode configurar um crime de financiamento ilegal - tendo respondido que "isso está tudo esclarecido".

"É público, as contas do PCP são públicas. Há quem queira continuar a insistir nessa matéria, não sei com que propósito. Mas pronto, toda a liberdade de investigação... Está tudo clarificado e é tudo público", disse.

O Estado, através da Parpública, vendeu na terça-feira 100% da Efacec ao fundo alemão Mutares.

A Efacec, empresa que opera nos setores da energia, engenharia e mobilidade, com cerca de 2.000 trabalhadores, tinha sido nacionalizada em 2020, ficando o Estado a deter 71,73% da empresa.

A nacionalização, apresentada como temporária, ocorreu na sequência do arresto judicial de bens da empresária angolana Isabel dos Santos, que detinha a maioria do capital da Efacec.

Na terça-feira, o ministro da Economia disse que o Estado vai injetar mais 160 milhões de euros na Efacec, enquanto o fundo Mutares injetará na empresa 15 milhões de euros em capital e 60 milhões de euros em garantias.

O Estado já injetou 132 milhões de euros na Efacec, a que se somam mais 85 milhões de euros em garantias.

Tópicos
Saiba Mais
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+