Emissão Renascença | Ouvir Online
A+ / A-

PSD e IL admitem pedir inquérito parlamentar ao "negócio ruinoso" da Efacec

02 nov, 2023 - 15:07 • Lusa

Governo anunciou esta semana venda da Efacec à Mutares. O Estado vai injetar mais 160 milhões de euros na Efacec, além dos 200 milhões de euros já gastos, 10 milhões de euros por cada mês, desde abril de 2022.

A+ / A-

O presidente do PSD disse esta quinta-feira, em Arruda dos Vinhos, que vai pedir um inquérito parlamentar se o Governo não esclarecer todos os detalhes do negócio da venda da EFACEC, que considerou ruinoso.

Luís Montenegro exigiu "esclarecimentos do ministro da Economia, mas também "de todo o Governo e do seu líder". "Se esses esclarecimentos não forem cabais, nós no futuro teremos de lançar mão de todos os instrumentos que temos à nossa disposição na Assembleia da República, nomeadamente um inquérito parlamentar", afirmou.

O líder do PSD falava no final da reunião da Comissão Política Permanente do partido, integrada na visita aos concelhos da distrital Oeste do programa "Sentir Portugal", depois de o partido ter anunciado na quarta-feira que iria pedir uma audição urgente do ministro da Economia no parlamento.

O dirigente social-democrata defendeu que "injetar 400 milhões de euros e vender por 15 é claramente um negócio ruinoso".

Luís Montenegro "constatou que, mais uma vez, o Governo do Partido Socialista salva empresas com dinheiro dos contribuintes", o que "não é efetivamente gerir bem os recursos públicos".

"António Costa e o Partido Socialista andam a brincar com o dinheiro dos portugueses" porque "andam a injetar dinheiro em empresas para salvar as empresas em prejuízo daquilo que são recursos públicos que podiam ter sido utilizados e podem ser utilizados com outras finalidades", acusou.

Montenegro considerou que 400 milhões "é mais do que o necessário" para atualizar o tempo das carreiras dos professores, proposta que o PSD fez e foi rejeitada pelo PS.

Quanto a "desbaratar o dinheiro público em desfavor daquilo que interessa às pessoas", o presidente do PSD falou também sobre a manutenção do "hub" da TAP em Lisboa, os direitos a uma plataforma de ligações aéreas.

Apesar de considerar estratégica, Luís Montenegro disse que "é absolutamente incompreensível que o primeiro-ministro ache que só isso é que é importante, mesmo que isso custe 4.000 milhões de euros.

IL desafia PS a viabilizar proposta

Já o presidente da IL anunciou que o partido vai propor a constituição de uma comissão de inquérito à EFACEC e desafiou o PS a viabilizar esta proposta.

Em entrevista à TSF e ao Diário de Notícias, Rui Rocha deu conta desta decisão do partido considerando que "os portugueses têm que ser esclarecidos" sobre este negócio.
O líder da IL desafiou o PS, que tem maioria absoluta no parlamento, a viabilizar a comissão de inquérito, mas deixou desde já um pedido ao PSD caso os socialistas votem contra.

"Faço também um desafio ao PSD porque o PSD, ao contrário da Iniciativa Liberal, tem a possibilidade depois de avançar com uma comissão de inquérito potestativa. Portanto, eu desafio o PSD para votar favoravelmente a este requerimento da Iniciativa Liberal e, se o PS chumbar, para não se acobardar neste tema e usar os meios que tem ao seu dispor para que os portugueses possam ser esclarecidos", disse.

Em conferência de imprensa no Ministério da Economia, António Costa e Silva disse que a Efacec foi vendida à Mutares e que esta injetará 15 milhões de euros em capital e 60 milhões de euros em garantias.

Já o Estado injetará mais 160 milhões de euros, anunciou. Até hoje, o Estado já tinha injetado 200 milhões de euros na empresa em suprimentos (10 milhões de euros por cada mês desde abril de 2022).

Costa e Silva destacou a importância de Efacec como "grande empresa tecnológica" para a economia portuguesa, referindo vários projetos em que está envolvida, acrescentando que deixá-la cair teria sido "desastroso para a economia portuguesa".

A Parpública vendeu, esta terça-feira, 100% da Efacec ao fundo alemão Mutares. O Estado tinha nacionalizado a Efacec em 2020, aquando do escândalo "Luanda Leaks". A empresa era controlada indiretamente por Isabel dos Santos.

Tópicos
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Petervlg
    02 nov, 2023 Trofa 17:30
    Que politico do PS, ou familiar, vai lucrar com esta negociata?

Destaques V+