Tempo
|
A+ / A-

Governo admite crescimento da economia nos 2,1% este ano e 1,5% em 2024

06 out, 2023 - 12:26 • Manuela Pires

Ministro das Finanças está a receber os partidos na Assembleia da República para dar conta das linhas essenciais do Orçamento do Estado para o próximo ano.

A+ / A-

O Governo está a trabalhar num cenário de crescimento da economia mais positivo do que o que previu em abril no Programa de Estabilidade e Crescimento. Segundo o deputado liberal João Cotrim Figueiredo o ministro das Finanças revelou que este ano vai terminar com um crescimento da economia que vai ficar em 2,1%/2,2%, já o saldo orçamental é positivo e inferior a 1%.

“Em 2023 acabaremos o ano com crescimento económico na casa dos 2,1%,2,2% e com um saldo orçamental positivo mas inferior a 1%. Relativamente a 2024, o saldo orçamental será neutro, portanto 0% e o crescimento será na casa de 1,5%, recordo que este 1,5% é a mesma perspetiva que o Banco de Portugal esta semana deu revendo em baixa” disse João Cotrim Figueiredo aos jornalistas depois da reunião com o ministro das Finanças.

O deputado da Iniciativa Liberal sublinhou, no entanto, que o ministro Fernando Medina não se comprometeu com qualquer dado, também em relação a outros temas levantados pelos liberais na reunião como a redução da carga fiscal.

“Perguntámos se não iríamos, mais uma vez, bater o recorde de carga fiscal e não obtivemos resposta. Também não recebemos resposta sobre qualquer reforma estrutural nos serviços públicos, no sistema fiscal ou da administração pública. O senhor ministro não se quis comprometer com nada”, referiu Joao Cotrim Figueiredo.

A proposta do Governo de Orçamento do Estado para 2024 é entregue no dia 10 de outubro, a discussão na generalidade está marcada para os dias 30 e 31 do mesmo mês e a votação final global do documento será no dia 29 de novembro.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+