A+ / A-

Eleições na Madeira

"É muito pouco". Alberto João Jardim critica resultados da coligação PSD/CDS-PP

24 set, 2023 - 19:35 • João Malheiro

O social-democrata aponta a subida do "Juntos Pelo Povo" e o regresso do Bloco de Esquerda à assembleia regional como sinais de que houve uma fracturação do voto à esquerda do PS.

A+ / A-

Veja também:


O antigo Presidente do Governo regional da Madeira, Alberto João Jardim, diz que os resultados projetados para a vitória da coligação PSD/CDS-PP são insuficientes.

"É muito pouco para um Governo que teve uma forte comunicação social e dinheiro", aponta.

O social-democrata diz que "há algo a falhar".

A coligação PSD/CDS-PP liderada por Miguel Albuquerque é projetada como a grande vencedora das eleições regionais na Madeira, este domingo.

A RTP divulgou às 19h00 os dados projetados pela sondagem da Católica que apontam para uma vitória entre os 44% e os 48%.

A coligação de centro-direita pode eleger entre 23 a 26 deputados, havendo a possibilidade de conseguir uma maioria absoluta. Para isso, terá de obter 24 mandatos.

Em segundo lugar, a Católica aponta que o PS terá obtido entre 18% a 21% dos votos.

A projeção indica que os socialistas poderão obter entre nove a e 12 mandatos. Em 2019, conseguiram 19 deputados regionais, tratando-se isto de uma perda para o PS.

Para Alberto João Jardim "há uma balcanização da Esquerda" que terá contribuído para a queda do PS".

O social-democrata aponta a subida do "Juntos Pelo Povo" e o regresso do Bloco de Esquerda à assembleia regional como sinais de que houve uma fracturação do voto à esquerda do PS.

"Esta enorme comunidade de partidos radicais de esquerda foi procurar outros partidos para lá do PS", aponta, ainda.

Saiba Mais
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+