Emissão Renascença | Ouvir Online
A+ / A-

Sindicatos de Leiria protestam por melhores salários para "uma vida digna"

21 set, 2023 - 13:05 • Lusa

Cerca de 20 trabalhadores e dirigentes sindicais concentraram-se junto ao local onde decorre o Conselho de Ministros, esta quinta-feira.

A+ / A-

Cerca de 20 trabalhadores e dirigentes sindicais concentraram-se esta quinta-feira, em Leiria, junto ao local onde decorre o Conselho de Ministros, exigindo melhores salários e não "pensos rápidos" para ser possível uma vida digna.

Numa concentração convocada pela União dos Sindicatos de Leiria da CGTP, entoaram-se palavras de ordem e empunharam-se cartazes, com exigências de aumentos de salários e pensões e críticas dirigidas ao Governo, que hoje se reúne em Leiria, em Conselho de Ministros, no âmbito da iniciativa "Governo Mais Próximo".

Se na quinta-feira o primeiro-ministro, António Costa, tinha considerado Leiria um dos "maiores motores da economia do país" com aumento do volume de negócios, exportações e postos de trabalho, a coordenadora da União dos Sindicatos de Leiria, Mariana Rocha, deixou uma imagem distinta.

"Mais de 53% dos trabalhadores do distrito leva para casa menos de 800 euros. É impossível ter uma vida digna com estes salários. [O Governo] tem de aumentar salários e combater a precariedade, que no distrito é imensa", afirmou.

De acordo com a coordenadora da União dos Sindicatos de Leiria, "não é por acaso" que o Governo está em Leiria, distrito que tem crescido em termos económicos. .

"[O Governo] tem sempre tudo para o capital. Cresce a economia, mas os salários continuam a ser insuficientes", protestou.

A dirigente sindical defendeu a resolução do problema dos professores, com "milhares a nível nacional a aguardar por colocação", aumento das reformas, melhores salários para a função pública, preços fixos nos bens essenciais e construção de habitação social para os trabalhadores.

"Que o Governo governe para o povo e para o país", asseverou.

Segundo Mariana Rocha, as medidas que vão sendo aprovadas pelo Governo "não passam de pensos rápidos mas que, na sua maioria, não chegam aos portugueses".

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+