Emissão Renascença | Ouvir Online
A+ / A-

Montenegro responsabiliza Governo pelos "quase 100 mil alunos" sem professor

18 set, 2023 - 21:06 • Lusa

Para o líder social-democrata, "o Governo não só não aprende, como cada vez deixa os alunos com mais dificuldade de aprenderem também".

A+ / A-

O presidente do PSD, Luís Montenegro, responsabiliza o Governo pelos "quase 100 mil alunos" sem professor pelo menos a uma disciplina, alegando que a falta de docentes no país tem se agravado anualmente.

"O Governo tem hoje a abertura, na prática, do ano escolar, com o regresso de milhares e milhares de jovens às escolas e às universidades. Temos quase 100 mil alunos que não têm pelo menos professor a uma disciplina. Isto tem-se agravado de ano para ano", disse Luís Montenegro, em Torres Novas, onde esta segunda-feira inaugurou a sede do PSD local, no âmbito da iniciativa "Sentir Portugal" dedicada esta semana ao distrito de Santarém.

Para o líder social-democrata, "o Governo não só não aprende, como cada vez deixa os alunos com mais dificuldade de aprenderem também".

Para Montenegro, "olhar para as declarações do senhor ministro da Educação, na esteira do que também já tinha dito o seu colega da Saúde e que diz também a ministra do Ensino Superior e da Ciência, de que é preciso tempo para resolver os problemas, é mesmo caso para dizer que isto é um atraso de vida".

"Este Governo é uma perda de tempo", declarou.

Questionado sobre o que o PSD entende que devia ser feito para colocar professores mais rapidamente, o líder do partido apontou a necessidade de "fazer uma antecipação dos problemas que já se sabia que iam ocorrer, fazer uma planificação de maneira a ter os recursos humanos mais bem distribuídos, de maneira a não criar este obstáculo nos alunos".

"Mas, neste momento, já só há mesmo uma solução para isto, que é mudar de Governo. É preciso mudar as políticas, é preciso ser mais ousado, é preciso ser mais diligente e é preciso contemplar menos os problemas", apontou.

Antes, no balanço do primeiro dia do "Sentir Portugal", realçou que "um dado que tem passado de uma forma transversal em todos os concelhos" por onde passou é a falta de médicos de família.

"Portanto, o Serviço Nacional de Saúde continua a não dar resposta àquilo que é o mais básico, que é a saúde familiar e por ação de um Governo que já leva oito anos de exercício de funções", declarou, considerando que "chega a ser anedótico ouvir os ministros deste Governo" queixarem-se de que "as políticas precisam de tempo e que precisam de ter para resolver os problemas".

Sobre a eventual presença na campanha eleitoral para as regionais na Madeira ou no domingo, dia do sufrágio, dado que a iniciativa "Sentir Portugal" no distrito de Santarém termina na sexta-feira, quando termina a campanha eleitoral no arquipélago, Montenegro respondeu: "A seu tempo nós diremos o que faremos ainda até ao fecho das urnas na Madeira. (...) Logo vemos".

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • ze
    19 set, 2023 aldeia 09:38
    Se está tudo mal,porque te abstens na moção de censura ao governo?Não era coerente votar a favor?por isto se vê a pouca ou nenhuma coerencia deste psd e da falta de carisma do seu lider.Sempre do mesmo!.....

Destaques V+