Tempo
|
A+ / A-

Estado da nação. BE diz que Mais Habitação "já fracassou" e que crise vai continuar

20 jul, 2023 - 17:20 • Lusa

C crise na habitação "comprova a incapacidade da maioria absoluta e a sua cumplicidade com os mais fortes", acusa a coordenadora do Bloco de Esquerda.

A+ / A-

A coordenadora do Bloco de Esquerda (BE) considerou hoje que o programa Mais Habitação "já fracassou" e que é imperdoável a instabilidade gerada por esta crise, defendendo que os portugueses questionam como podem confiar num executivo com "cadastro de incumprimento de promessas".

No seu primeiro debate sobre o estado da nação como líder do BE - cargo para o qual foi eleita na convenção de maio - Mariana Mortágua olhou para a situação atual desde um "lugar frontal de oposição", considerando que a crise na habitação "comprova a incapacidade da maioria absoluta e a sua cumplicidade com os mais fortes".

"Há uma coisa que é certa e o Governo sabe: O Mais Habitação já fracassou. A crise da habitação vai continuar e o país não vai perdoar ao Governo a maior instabilidade de todas que é trabalhar, ter um salário e não ter uma casa que possa pagar", avisou.

Sublinhando que "a situação na habitação é catastrófica e a publicidade não vai resolvê-la", a líder do BE defendeu que neste tema, como na saúde, o Governo viu os problemas "e fez promessas", que acusa o executivo de não ter cumprido.

"E hoje a pergunta que os portugueses se faz é como podem confiar no Governo? Como é possível confiar num Governo que tem este cadastro de incumprimento de promessas atrás de si", disse.

Na resposta, o primeiro-ministro, António Costa, começou por felicitar Mariana Mortágua pela sua eleição, para logo aconselhar a líder do BE à meditação.

"E não se colocar relativamente à maioria absoluta como a direita se colocou relativamente à nossa relação comum, antevendo sempre que o diabo vem aí só porque há maioria absoluta", defendeu.

Costa apelou a "alguma prudência" uma vez que Mariana Mortágua decretou o falhanço do Mais Habitação "menos de 24 horas depois da aprovação" e ainda sem promulgação.

"Lamento dizer-lhe mas está na mesma posição em que o PSD está desde 2015 à espera que o diabo venha a acontecer", comparou.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+