A+ / A-

IL diz que Costa não defende a transparência nem combate a corrupção

16 jul, 2023 - 18:13 • Lusa

Rui Rocha prefere "ter uma raposa a guardar um galinheiro do que António Costa a cuidar da transparência".

A+ / A-

Veja também:


O líder da Iniciativa Liberal, Rui Rocha, defendeu este domingo que o primeiro-ministro não defende a transparência nem combate a corrupção, considerando que tal acontece desde que António Costa era presidente da autarquia de Lisboa.

"Os factos são estes: António Costa não defende a transparência, António Costa não combate a corrupção, e isso é verdade enquanto presidente da Câmara Municipal de Lisboa, e agora na sua função governativa", defendeu Rui Rocha, em declarações à Lusa e RTP, em Braga.

Rui Rocha reagia ao artigo de opinião publicado no sábado pelo primeiro-ministro no jornal "online" Observador, no qual António Costa afirmou que não desvaloriza a corrupção, e que o tem demonstrado no seu percurso político "sem retórica e com ação", acusando os críticos de construírem "uma mentira".

O líder liberal ironizou dizendo que prefere "ter uma raposa a guardar um galinheiro do que António Costa a cuidar da transparência".

Na opinião do presidente da Iniciativa Liberal, António Costa "tem muitas explicações a dar em matéria de transparência, de corrupção, e não é seguramente uma pessoa que tenha assegurado que o país esteja melhor nesta altura em matéria de transparência e de corrupção".

Recuando aos tempos em que o chefe do executivo liderou a autarquia da capital do país, Rocha apontou que Costa "andou durante dois anos e meio a tentar impedir que um relatório sobre obras públicas fosse conhecido, apelou mesmo ao Tribunal Constitucional que depois não lhe deu razão, obviamente".

O líder da IL argumentou também que Costa "trouxe para os seus sucessivos governos um conjunto de pessoas ligadas diretamente a José Sócrates, muitas delas que tiveram participação na opinião pública no sentido de intoxicar a opinião pública em favor de José Sócrates", enumerando ministros como Mariana Vieira da Silva, Pedro Adão e Silva e João Galamba.

Para o líder da IL, o ex-secretário de Estado da Defesa Marco Capitão Ferreira e João Gomes Cravinho, atual ministro dos Negócios Estrangeiros, "são pessoas que não deveriam ter entrado neste Governo".

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+