A+ / A-

António Costa: "Não desvalorizo corrupção" nem "a mentira"

15 jul, 2023 - 23:57 • Lusa

O primeiro-ministro escreve artigo porque ao longo da semana foi assistindo ao que diz ser a "construção de uma mentira a partir da deturpação de uma resposta a uma pergunta... que não me foi feita".

A+ / A-

Veja também:


O primeiro-ministro, António Costa, afirma que não desvaloriza a corrupção, e que o tem demonstrado no seu percurso político "sem retórica e com ação", acusando os críticos de construírem "uma mentira".

"Não! Não desvalorizo a corrupção. E tenho-o demonstrado ao longo da minha vida política, sem retórica e com ação", escreve o chefe do executivo num artigo de opinião no jornal Observador intitulado "Desvalorizo a corrupção?".

Neste artigo, Costa responde que não desvaloriza a corrupção, mas também não desvaloriza "a mentira".

O primeiro-ministro recua no tempo sustentando que "a profunda reforma legislativa" que produziu como ministro da Justiça, "as medidas de transparência" que introduziu na gestão municipal e "o atual reforço sem precedentes dos meios de combate à corrupção por parte da Polícia Judiciária" são uma "resposta cabal" ao título do artigo.

"Porquê então a pergunta? Porque ao longo da semana fui assistindo à construção de uma mentira a partir da deturpação de uma resposta a uma pergunta... que não me foi feita", escreve António Costa.

O chefe do executivo faz referência a uma conferência de imprensa que deu no passado dia 8 de julho, antes de um Conselho de Ministros informal, em Sintra, um dia depois de o antigo secretário de Estado da Defesa Nacional Marco Capitão Ferreira se ter demitido e ter sido constituído arguido na operação "Tempestade Perfeita".

No artigo, o primeiro-ministro coloca uma transcrição do diálogo que trocou com os jornalistas nesse dia e um "link" para a conferência de imprensa.

"Como poderão constatar, ninguém falou de corrupção. Nem os jornalistas quando me questionaram, nem eu quando lhes respondi. Não, não desvalorizo a corrupção, mas também não desvalorizo a mentira", remata o primeiro-ministro.

No passado dia 8 de julho, antes de um Conselho de Ministros informal, em Sintra, o primeiro-ministro não comentou a exoneração do secretário de Estado da Defesa Nacional, apelando a que se deixe a "justiça funcionar", e garantindo que o foco do Governo está nas preocupações dos portugueses.

"Nós vamo-nos hoje concentrar naquilo que importa à vida dos portugueses, e, sem querer diminuir aquilo que preocupa muito os comentadores e o espaço político, aquilo que eu sinto que preocupa as pessoas são temas bastante diferentes", afirmou.

O chefe do executivo sublinhou que anda na rua e costuma falar com os portugueses, que lhe manifestam preocupações "que têm pouco a ver com esses assuntos", elencando temas como o combate à inflação, a melhoria dos rendimentos, os desafios no Serviço Nacional de Saúde (SNS) e a "enorme transformação da economia portuguesa".

"É naquilo que sinto que é a preocupação fundamental que nós temos de estar centrados, porque a função do Governo é governar a pensar nas pessoas", disse.

Interrogado se, ao fim de um ano e três meses, o Governo está a acusar "algum desgaste", o chefe do executivo respondeu: "Sabe que dedico-me pouco à análise política e mais a fazer aquilo que me compete, que é governar".

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+