32,08%
8 Deputados
31,11%
7 Deputados
9,79%
2 Deputados
9,07%
2 Deputados
4,26%
1 Deputados
4,12%
1 Deputados
3,76%
0 Deputados
1,22%
0 Deputados
2,62%
0 Deputados
  • Freguesias apuradas: 3092 de 3092
  • Abstenção: 63,48%
  • Votos Nulos: 0,77%
  • Votos em Branco: 1,20%

A+ / A-

Quem é que ganhou o debate nas redes sociais?

18 jan, 2022 - 20:00 • Daniela Espírito Santo

Iniciativa Liberal aproveitou momentos televisivos para continuar a conversa online, sobretudo no Twitter. Estratégia vencedora numa campanha em que "os debates servem de catapulta para as redes".

A+ / A-

O país fixou os olhos na TV, na noite de segunda-feira, para acompanhar o último debate televisivo destas legislativas (ainda temos debate da rádio na quinta-feira!), mas foi dividindo a sua atenção com as redes sociais.

Já é quase "ritual" nesta campanha, explica-nos Nuno Palma, do Media Lab do ISCTE: o Twitter transformou-se no "segundo ecrã dos debates", com os portugueses a comentarem "em tempo real" o confronto de ideias entre candidatos (com algum humor à mistura).

"Os debates, este ano, têm sido diferentes dos de 2019, porque tem havido muito mais conversa à volta deles nas redes", aponta o professor da ESCS, para quem o Twitter é mesmo o "ringue" preferido para estes embates em tempo real. "O Twitter tem sido a rede escolhida para isso e, parece-me, os partidos mais pequenos e mais à direita têm ganhado mais com essa dinâmica."

Não é, então, de estranhar que os números de interação nas redes sociais esta segunda-feira ofereçam a vitória à Iniciativa Liberal e a João Cotrim de Figueiredo, em redes como o Twitter e o Instagram. "A IL tem sabido capitalizar esta dinâmica", diz Nuno Palma, com os debates a servirem "de catapulta para as redes". "Os assuntos às vezes já parecem preparados para depois serem assuntos nas redes", adianta, fenómeno que se começou a verificar "a meio da maratona de debates", quando os partidos começaram a "criar momentos televisivos" para serem, posteriormente, "exportados para as redes".

João Cotrim de Figueiredo foi, assim, a "estrela" do pós-debate no que toca às métricas, causando o maior impacto na conversa a seguir ao debate. Alguns desses momentos viralizaram e tornaram-se nas publicações com mais interações, como foi caso do cheque que entregou a António Costa. "Esses momentos têm sempre uma boa resposta nas redes sociais e foi isso que aconteceu à IL que já tinha sido, durante o dia, o partido que tinha estado à frente na comunicação de redes. Depois do debate, acentuou-se essa vitória", acrescenta o especialista.

Com esta dinâmica, assuntos que poderiam marcar a agenda política durante menos tempo acabam por se prolongar, ganhando nova vida online. Para Nuno Palma, "os partidos estão a querer aproveitar" esse fenómeno (o tema Ryanair vs António Costa é disso exemplo: veio do fim de semana e ainda hoje é tema de conversa).

"Há uma preocupação em criar conteúdo e soundbites para as redes. As arruadas são um contexto que dá menos conteúdo para as redes comentarem, por isso os debates têm sido mais profícuos. Vamos ver o que acontece agora durante as arruadas...", diz o investigador. Será que a estratégia vai mudar?

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • EU
    19 jan, 2022 PORTUGAL 18:06
    Hoje fiz a consulta de quanto receberei mensalmente. Como o País está a crescer, porque será que fico a receber MENOS cerca de ONZE €. Espero que o Senhor Costa diga algo.
  • ze
    19 jan, 2022 aldeia 12:18
    Vamos esperar que a abstenção desta vez não favoreça os mesmos do costume, se querem mudanças....então votem e escolham quem querem para desenvolver o país, criar riqueza.criar emprego e menos impostos, taxas e taxinhas.

Destaques V+