32,08%
8 Deputados
31,11%
7 Deputados
9,79%
2 Deputados
9,07%
2 Deputados
4,26%
1 Deputados
4,12%
1 Deputados
3,76%
0 Deputados
1,22%
0 Deputados
2,62%
0 Deputados
  • Freguesias apuradas: 3092 de 3092
  • Abstenção: 63,48%
  • Votos Nulos: 0,77%
  • Votos em Branco: 1,20%

A+ / A-

Legislativas 2022

Debate de partidos com assento parlamentar. As cinco frases da primeira parte

17 jan, 2022 - 22:18 • João Malheiro

Primeira parte do debate marcada pela discussão de cenários de governabilidade e por política fiscal.

A+ / A-

O debate que junta, esta segunda-feira, os partidos com assento parlamentar na RTP foi marcado, durante a primeira parte pela discussão de cenários de governabilidade do país, no pós-eleições, e pela temática da política fiscal.

Das intervenções dos nove partidos na primeira parte, estas foram as principais:

"Não quero partir tudo. Quero fazer uma mudança"

Rui Rio a explicar a sua intenção reformista para o país, mas garantindo que não desiquilibrar as contas.

O líder social-democrata defende uma política "coerente" para que os portugueses vivam "efetivamente melhor".

"A vida das pessoas em governos de maioria absoluta são da maior instabilidade possível"

João Oliveira a criticar a vontade do PS de conseguir uma maioria absoluta nas eleições.

O candidato da CDU diz, pelo contrário, que é um voto na CDU que garante a tão desejada estabilidade.

"PS não explica para que quer os votos"

João Cotrim Figueiredo critica António Costa por não clarificar a sua posição negocial num cenário em que se fica pela maioria relativa.

O líder da IL voltou a prometer disponibilidade para negociar com o PSD e diz que sem o partido, os sociais-democratas não terão "ímpeto reformista".

"PSD não é capaz de fazer sozinho reformas estruturais"

André Ventura a tentar puxar, mais uma vez, o PSD para uma abertura a um acordo de Governo, no pós eleições.

O presidente do Chega defende que "só é possível uma maioria de Direita com o Chega no Governo".

"A História explica"

António Costa evita responder ao porquê de Portugal estar a ser ultrapassado por outros países europeus e prefere focar-se no futuro.

O atual primeiro-ministro realçou que, desde que assumiu funções, "Portugal cresceu acima da média europeia".

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+