Tempo
|
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
A+ / A-

Selminho

Rui Moreira estranha juíza não ter ouvido testemunha. "O assunto teria ficado arrumado"

19 mai, 2021 - 19:29 • Redação

Em entrevista à Renascença, Rui Moreira assegurou que a decisão do Tribunal de Instrução Criminal do Porto não pesará sobre a decisão da recandidatura à liderança da autarquia nortenha. E acusou Rui Rio de estar “obcecado” com as eleições para câmara do Porto.

A+ / A-

Em entrevista à Renascença esta quarta-feira, Rui Moreira, presidente da Câmara do Porto, diz não entender o porquê de a juíza do Tribunal de Instrução Criminal ter recusado ouvir o advogado da autarquia. “Tentei apenas uma diligência, tentei que o advogado da Câmara Municipal do Porto, advogado externo que tinha sido contratado pelo meu antecessor, o dr. Rui Rio, e que sempre esteve neste processo, fosse ouvido”, contou.

“A partir do momento em que a senhora doutora juíza entendeu que ele não devia ser ouvido na abertura da instrução, estava traçado o caminho. No fundo, o que a juíza podia fazer neste caso era se ela tivesse dúvidas sobre aquilo que era a acusação do Ministério Público, o assunto teria ficado arrumado. Não tendo, ficamos iguais. Estamos na mesma situação que em dezembro e o assunto há de ser julgado. Nessa altura, não só poderei depor, como apresentarei as provas que tenho e as testemunhas que entenda”, disse.

Ainda na mesma entrevista, Rui Moreira assegurou que a decisão do Tribunal de Instrução Criminal do Porto não pesará sobre a decisão da recandidatura à liderança da autarquia nortenha. E acusou Rui Rio de estar “obcecado” com as eleições para câmara do Porto.

Na terça-feira, ficou-se a saber que Rui Moreira vai a julgamento pelo caso Selminho. O autarca é acusado do crime de prevaricação.

“A instrução não trouxe ao processo qualquer elemento relevante suscetível de abalar os elementos probatórios recolhidos em sede de inquérito”, lê-se na decisão instrutória, a cargo da juíza Maria Antónia Ribeiro.

Moreira arrisca perder o mandato como pena acessória, vai continuar com termo de identidade e residência, a medida de coação mínima, enquanto aguarda julgamento.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+