Tempo
|
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
A+ / A-

Autárquicas

Bloco de Esquerda pede ao Governo para alargar moratórias até setembro

27 fev, 2021 - 18:38 • Maria João Costa

Catarina Martins avisa António Costa que os bloquistas não irão deixar passar um Plano de Recuperação que exclua o investimento na habitação. A líder do Bloco de Esquerda que defende uma intervenção pública nas casas vazias, e o arrendamento acessível exige o alargamento do prazo das moratórias.

A+ / A-

“As moratórias têm de ser estendidas já”, a exigência foi expressa esta tarde por Catarina Martins. No final da Conferência Autárquica do Bloco de Esquerda, a líder bloquista defendeu que “é necessário garantir que todas as moratórias são estendidas”, pelo menos até setembro, a fim de evitar “uma enorme vaga de despejos e falências”.

Segundo as palavras de Catarina Martins, é necessário, “desde já, planear o fim da pandemia e proteger a casa de morada da família”. Na sua intervenção, a líder bloquista referiu que “não é aceitável que, quem tanto perdeu com a crise, perca também a casa com o fim das moratórias”.

O Bloco de Esquerda diz que não há tempo a perder. “Esta não é uma decisão que possa esperar. As moratórias sobre as hipotecas da Associação Portuguesa de Bancos terminam em março. Março é já amanhã”.

Catarina Martins lembrou que “o governo prometeu que seriam transferidas para as moratórias do Estado, que terminam em setembro, mas isso não aconteceu”. A líder bloquista deixou por isso um apelo ao primeiro-ministro: “não espere que seja tarde demais; não espere pelo início da vaga de despejos e falências. As moratórias têm de ser estendidas já”, afirmou.

O alargamento das moratórias deve abranger tanto “famílias, como as pequenas empresas” sublinhou Catarina Martins. Para a deputada é “necessário preparar um grande programa de recuperação das dívidas para as empresas e pessoas em dificuldades, com planos de reestruturação ajustados, e a prioridade de proteger a morada de família”.

A política de habitação está assim no centro da atenção do Bloco de Esquerda para as autárquicas deste ano. Catarina Martins deixou mesmo um recado, em tom de aviso, ao Governo. “Desistir de colocar o investimento na habitação no coração do Plano de Recuperação, é um erro que não deixaremos passar”, disse a líder do partido de esquerda.

Catarina Martins que considerou que “em Portugal o confinamento não é igual para todos”, porque nem todos têm as mesmas condições de habitação, referiu ainda que uma das propostas do seu partido para as próximas eleições municipais é “garantir uma casa decente”, uma proposta que, segundo as suas palavras “cruza as responsabilidades centrais e municipais”.

No discurso que encerrou os trabalhos da conferência que decorreu à distância, Catarina Martins defendeu ainda a “intervenção pública nas casas vazias, reabilitando e arrendando a preços acessíveis” com vista a “aumentar a oferta e regular o mercado”.

A assinalar 22 anos de vida, o Bloco de Esquerda apresenta-se às autárquicas sabendo que tem pela frente “enormes dificuldades”, como referiu Catarina Martins para “abanar um quadro autárquico muito cristalizado e conservador”.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+