A+ / A-

Caso José Guerra

Ministra da Justiça admite "erros", mas não se demite perante polémica "empolada"

07 jan, 2021 - 20:03 • Redação, com Lusa

“Apesar da gravidade dos factos, o caso está a ser empolado a todos os níveis de forma a transmitir a intenção que os vícios foram para beneficiar um candidato”, afirma Francisca Van Dunem.

A+ / A-

Veja também:


A ministra da Justiça admite “falhas” e que ponderou abandonar o cargo, mas Francisca Van Dunem considera que a polémica em torno das informações falsas sobre a candidatura de José Guerra a procurador europeu está claramente a ser empolada.

A governante considera que tem condições para continuar no cargo, apesar dos erros contidos numa nota do Governo, que fundamenta a escolha de José Guerra para procurador europeu, e que tiveram repercussões internacionais, admite.

“Entendo que tenho condições para continuar, pese embora admita que houve erros que foram cometidos e tiveram repercussões internacionais”, afirmou Francisca Van Dunem no parlamento sobre os erros que constam numa nota enviada ao Conselho Europeu sobre o procurador europeu José Guerra, tendo admitido aos deputados que não reviu a fundamentação contida na mesma presumindo que correspondia às informações que tinha dado à direção-geral de Política de Justiça.

Reconhecendo mais uma vez que foram cometidos “erros palmares” na nota, Francisca Van Dunem explicou que a mesma foi pedida com caráter de urgência pela representação portuguesa junto da União Europeia.


“Estou perfeitamente disponível para reconhecer que da minha parte possa ter havido uma falha por não ter exigido que a nota voltasse às minhas mãos para verificar as orientações que dei na reunião”, afirmou a titular da pasta da Justiça, considerando, contudo, que “apesar da gravidade dos factos o caso está a ser empolado a todos os níveis de forma a transmitir a intenção que os vícios foram para beneficiar um candidato”.

“A extensão da gravidade disto está claramente a ser empolada. Pretende-se criar um embaraço ao Governo de Portugal, numa altura em que o país assume a presidência do conselho europeu”, reiterou a ministra, insistindo que não houve qualquer intenção dolosa.

Na nota do Governo a fundamentar a escolha de José Guerra para o lugar de procurador europeu nacional, este magistrado é identificado como sendo "procurador-geral-adjunto", categoria que não tem, sendo apenas Procurador da República e como tendo participado "na liderança investigatória e acusatória" no processo UGT, o que também não é verdade, porque foi o magistrado escolhido pelo MP para fazer o julgamento e não a acusação.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Cidadao
    07 jan, 2021 Lisboa 21:27
    “Apesar da gravidade dos factos, o caso está a ser empolado a todos os níveis de forma a transmitir a intenção que os vícios foram para beneficiar um candidato”. Então e não foi? O processo que o candidato preterido - que por acaso é Juiz desembargador e ele sim tem as condições requeridas para o cargo - lhe está a pôr, é só "birrinha de derrotado com mau perder"? Pois se as asneiras são do mesmo calibre e o Cabrita continua, porque é que a Van Dunem tinha de sair? É o que dá não haver Oposição, ou por outra, é o que dá o dito principal partido da Oposição ter à frente um liderzinho provinciano, sem Mundo, ansioso por ser o vice de qualquer coisa e adepto do bloco Central, que não se importa de ficar eternamente em posição subalterna - para o "bem nacional", bem entendido. Como remediar? Uma de 2 coisas: ou se afasta essa amostra de lider e põe-se no cargo alguém que dispute verdadeiramente o Poder, ou em próximas eleições em vez do Bloco Central, vota-se nas "margens".
  • Americo Anastacio
    07 jan, 2021 Leiria 20:21
    "Polémica empolada"? É assim que uma magistrada classifica as mentiras ???????????!!!!!!!!!!!!!!!!

Destaques V+