Tempo
|
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
A+ / A-

Marcelo homenageou memória das vítimas de Entre-os-Rios

04 mar, 2017 - 16:50

Chefe do Estado emocionou-se com as mensagens ouvidas no local.

A+ / A-

O Presidente da República diz que a sua presença nas cerimónias evocativas do 16º. aniversário da tragédia de Entre-os-Rios é uma homenagem de Portugal à memória dos que partiram e aos familiares das vítimas.

"O Presidente da República, no primeiro 4 de Março posterior à tomada de posse, aqui está para vos dizer, em nome de todas e de todos os portugueses, da nossa homenagem, do nosso respeito, da nossa gratidão. Da nossa homenagem aos que partiram, mas também aos que souberam ficar e honrar os que partiram", afirmou Marcelo Rebelo de Sousa.

Discursando em Castelo de Paiva para os familiares das 59 pessoas que morreram em 2001, aquando do colapso do tabuleiro da ponte Hintze Ribeiro, a maioria daquele concelho, o chefe do Estado assinalou que Portugal apresenta "uma identidade nacional como poucos têm em todo o mundo".

"Em nome dessa identidade nacional, o Presidente da República aqui está para vos homenagear, para vos testemunhar respeito, para vos agradecer", reafirmou.

A cerimónia, à qual também assistiu Vieira da Silva, ministro do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, e autarcas de Castelo de Paiva, Cinfães, Penafiel e Marco de Canaveses, decorreu no monumento construído junto à ponte, entretanto reconstruída, na margem esquerda do rio Douro, para homenagear as vítimas, conhecido como "Anjo de Portugal".

O momento ficou marcado pelo testemunho de uma adolescente, neta de uma das vítimas.

O Chefe do Estado ouviu, comovido, e comentou no seu discurso: "Todos nós sentimos uma emoção muito particular ao ouvirmos a Ana Leonor evocar a sua avó Leonor e todas e todos que partiram com ela. Sentimos que era a vida a sobrepor-se à morte, era o futuro a nascer a partir do passado, não esquecendo o passado, mas querendo afirmar-se como futuro".

Marcelo Rebelo de Sousa destacou que "Ana Leonor falou não das 59 velas, mas das 59 estrelas que estão no firmamento" e, frisou, "são as velas que evocam o passado, as estrelas que apontam para o futuro".

A mensagem do Presidente da República privilegiou os familiares das vítimas, que mais tarde cumprimentaria, um a um, demoradamente. Alguns choravam, enquanto eram abraçados por Marcelo.

No discurso, o Presidente afirmara: "Como todos disseram, é no passado que todos vamos buscar forças para construir o futuro. Antes de mais, os familiares dos que partiram. No dia seguinte, no mês seguinte, no ano seguinte, recomeçaram a sua caminhada, não esquecendo cada uma e cada um dos familiares, mas inspirados por eles, olhando para o futuro, construindo o futuro, fazendo vida a partir da morte".

O Presidente da República, acompanhado do presidente da Câmara de Castelo de Paiva, depositou uma coroa de flores no monumento.

Seguiu depois para o tabuleiro da ponte, acompanhado por familiares das vítimas, para participar na cerimónia de lançamento ao rio Douro de 59 flores, tantas quantas as vítimas da tragédia ocorrida na noite chuvosa de 04 de março de 2001.

De seguida, foram largadas dezenas de balões brancos em homenagem aos que partiram naquele dia trágico.

Antes da cerimónia religiosa presidida pelo bispo do Porto, António Francisco dos Santos, que decorreu no monumento evocativo da tragédia, Marcelo Rebelo de Sousa tinha passado pelo equipamento social criado pela Associação dos Familiares das Vítimas da Tragédia de Entre-os-Rios.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • CF
    06 mar, 2017 Beja 15:48
    Sentir a dor sentida. O após, entre os rios, foi o reconforto impossível para os que ficaram e sentiram tanto. Agora uma das nossas dores maiores foi sentida por quem não esqueceu.
  • Anjo Gabriel
    05 mar, 2017 Paraíso 21:01
    Pergunto, porque é que há pessoas interessadas em ser ministros? Será que é pelo ordenado? Não! Os árbitros ganham muito mais. Há gente que que ser ministro porque mesmo que cometam crimes nunca vão parar à cadeia! Sair do cargo é uma pena muito pequena para as maldades que fazem. O povo português é mesmo de brandos costumes... O Sr Presidente que vá derramar lágrimas de crocodilo para o Largo do Rato!
  • agostinho v couto
    05 mar, 2017 usa 20:14
    Por favor nao engamem mais o povo principalmente o povo destas regioes mais esquecidas e abandonadas pelo poder politico ,,no dia seguinte ao ,,fatidico acontecimento da queda da ponte de Entre -os Rios ,,alguem disse esta frase ,,,a culpa nao pode morrer solteira ,,acho que ainda hoje ,,nem sequer tem ,,namorado e muitissimo menos se ira ,,casar ,,so por ,,,,milagre .. esse sr chama-se ,jorge Coelho e o que fez depois deste ,,terrivel acidente ,,/foi presidente ou algo parecido numa das maiores companhias de construcao ,,que por sinal ,,abjudicou a seu favor as maiores obras do Estado portugues nestes anos que s seguiram a este triste aconteccccimento ,,,,,agora passados dezasseis anos vem um sr ,,popuraluxo,,beijoqueiro ,,egocentrista fazer espectaculo com a miseria dos outros ,,,reabrir feridas que numca foram e numca serao esquecuidas por ,,essa gente simples e simpatica de ,Castelo de Paiva e arredores que ,,DEUS de o Eterno Descanso aqueles que partiram nesse ,dia tragico ...que de o ,consolo aqueles que choram a partida dos seus ,,entes queridos e que de tambem a ,,estes ,,iluminados politicos a mentalidade suficiente para nao andarem a ,,fazer fitas a custa ,,das ,,desgracas alheias ,,ja basta de ,,folcrore politiquiro ,,fique lano seu palacio
  • Rui Pinheiro
    04 mar, 2017 Gondomar 21:02
    Este homem é masoquistas.A dor e saudades dos que partiram só é preservada pelos familiares, tudo que passa daí é puro folclore e só serve de Impressionismo político.Aqueles que sentiram a partida dos seus por incúria do Estado, só querem que o seu sofrimento não sirva para alimentar estatísticas de popularidade. Por isso acho que além da popularidade veio trazer novamente a pouca atenção que o PS sempre teve com o povo.Vejam o caso actual de Lisboa.Costa era presidente da câmara queixaram-se do perigo e.que fez, nada.Na altura da caída da ponte o PS foi alertado para o perigo e que fez, nada.O PS é bom para a guerrilha política e apoderar-se do poder,depois o povo que se cuide.Será que com esta acção o prof.marcelo quer mostrar isso.Não vejo outra utilidade.

Destaques V+