32,08%
8 Deputados
31,11%
7 Deputados
9,79%
2 Deputados
9,07%
2 Deputados
4,26%
1 Deputados
4,12%
1 Deputados
3,76%
0 Deputados
1,22%
0 Deputados
2,62%
0 Deputados
  • Freguesias apuradas: 3092 de 3092
  • Abstenção: 63,48%
  • Votos Nulos: 0,77%
  • Votos em Branco: 1,20%

A+ / A-

Impugnação de juízes. Sócrates leva nega do Conselho da Magistratura, e avança (de novo) para tribunal

17 abr, 2024 - 12:02 • Carla Fino Lusa

Sócrates já reagiu e diz que vai avançar para tribunal: "Julgo que nada mais me resta senão procurar um tribunal e apresentar a devida impugnação judicial", afirmou em conferência de imprensa.

A+ / A-
Sócrates sobre a não impugnação de juízes

A resposta foi negativa. José Sócrates queria impugnar o coletivo de juízes que o pronunciou por corrupção na Operação Marquês, mas o Conselho Superior da Magistratura (CSM) rejeitou o pedido do antigo primeiro-ministro.

Sócrates já reagiu e diz que vai avançar para tribunal: "Julgo que nada mais me resta senão procurar um tribunal e apresentar a devida impugnação judicial", afirmou em conferência de imprensa.

De resto, considerou ter sido vítima de "manipulação da escolha dos juízes" pela segunda vez no processo. Sócrates atira as responsabilidades no Conselho Superior da Magistratura: "o que verdadeiramente impressiona nesta história, é que esta é a segunda vez que falseiam o processo da escolha dos juizes. Há 10 anos foi a atribuição manual, agora é a exclusividade de funções. Da primeira vez o Conselho Superior da Magistratura tentou encobrir, desta vez é o autor da manobra", acusa o antigo primeiro-ministro.

A decisão do CSM, tomada no plenário de terça-feira do órgão de gestão e disciplina dos juízes, foi avançada pelo "Expresso" e confirmada à Lusa: "O Plenário do Conselho Superior da Magistratura rejeitou a impugnação administrativa interposta por José Sócrates por inadmissibilidade procedimental para impugnar", referiu.

Em causa estava a decisão do CSM de manter o coletivo de três juízas desembargadoras a quem tinha sido distribuído o recurso da Operação Marquês no início do ano passado, apesar de duas das magistradas terem sido colocadas em setembro de 2023 nos tribunais da Relação do Porto e de Guimarães, ao abrigo do movimento de magistrados.

José Sócrates adiantou que o “acórdão da Relação de Lisboa constituiu uma dupla sabotagem ao direito penal português”, devido à constituição do coletivo de juízes e pelo lapso do Ministério Público que ilibou Sócrates dos crimes de corrupção. Pedro Delille, advogado do ex-governante e que o acompanhou nesta conferência de imprensa, sublinha que face à alteração dos factos "de acto lícito para acto ilícito, "o processo acabou". Considera o advogado que “não há pronúncia para ir a julgamento, porque a pronúncia foi invalidada pelo Tribunal da Relação”.

José Sócrates, 66 anos, foi acusado em 2017 pelo MP no processo Operação Marquês de 31 crimes, designadamente corrupção passiva, branqueamento de capitais, falsificação de documentos e fraude fiscal, mas na decisão instrutória, em 9 de abril de 2021, o juiz Ivo Rosa decidiu ilibar o antigo governante de 25 dos 31 crimes, pronunciando-o para julgamento apenas por três crimes de branqueamento de capitais e três de falsificação de documentos.

O recente acórdão do TRL recuperou quase totalmente a acusação do MP que tinha sido desmontada por Ivo Rosa na fase de instrução, levando a julgamento 22 arguidos por 118 crimes económico-financeiros, com destaque para o ex-primeiro-ministro (2005-2011), que vai ser julgado por três crimes de corrupção, 13 de branqueamento e seis de fraude.

Em causa estão negócios com o grupo Lena, o seu envolvimento em negócios da Portugal Telecom e do Grupo Espírito Santo (GES), e alegados atos praticados em relação ao empreendimento de luxo Vale do Lobo, no Algarve.

Entretanto, em março, na apreciação de outro recurso sobre o caso, a Relação de Lisboa deu razão a José Sócrates (e ao empresário Carlos Santos Silva), ao anular a decisão instrutória de abril de 2021 que os remeteu para julgamento por branqueamento e falsificação de documentos e remeteu os autos para a primeira instância a fim de ser determinada uma nova decisão.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Manuel Ferraz
    17 abr, 2024 Vila Nova de Gaia 13:05
    Tanta conversa e tanto recurso. Se fosse um cidadão normal já tinga sido julgado e estava a cumprir pena. Assim, passa a vida a gozar com a justiça e com o povo que paga impostos. Julguem-no e se for culpado prisão com ele se não acabem com esta farsa.
  • ze
    17 abr, 2024 aldeia 12:35
    Como diz o povo "este caso já cheira mal".....tanto tempo para resolver,julgar e condenar,não há duvida que as leis judiciais precisam ser mesmo mudadas e serem mais céleres,e acabar com esta saga de tempo até passar prazos e serem arquivadas.A bem da Justiça, a bem do povo e a bem deste país.

Destaques V+