A+ / A-

PSP de Faro suspende testes de tiro por tempo indeterminado

09 fev, 2024 - 18:15 • João Mira Godinho

Agentes continuavam a chumbar, à semelhança do que já tinha acontecido na semana passada. Esta é, alegadamente, mais uma forma de protesto dos polícias para verem atribuído um subsídio de risco semelhante ao que é pago na Polícia Judiciária.

A+ / A-

O Comando de Faro da PSP decidiu suspender, na quinta-feira, os testes de tiro depois de vários polícias terem chumbado numa sessão de certificação, realizada esta semana, confirmou à Renascença fonte oficial do Comando Distrital da PSP.

Estes chumbos são, alegadamente, propositados e estarão relacionados com a luta dos polícias para verem atribuído um subsídio de risco semelhante ao que é pago na Polícia Judiciária.

Já na semana passada, 22 dos 24 polícias que tinham participado na certificação de tiro tinham chumbado. Como esta semana os agentes continuavam a falhar os alvos, o Comando de Faro decidiu suspender os testes por tempo indeterminado.

Quando não passam no teste de tiro, os polícias veem ser-lhes retiradas as armas e passam a desempenhar exclusivamente serviços administrativos, não podendo exercer funções fora das esquadras.

O diretor nacional da PSP deu indicações aos comandos distritais para a possibilidade de suspenderem os testes de tiro para melhor gestão dos recursos humanos, adianta a agência Lusa.

Nas últimas semanas agentes da PSP e GNR têm adotado várias formas de luta, para exigirem a atribuição do suplemento de risco semelhante ao da PJ. Entre essas formas de luta estará a apresentação de baixas médicas por parte dos agentes, o que já levou ao adiamento de vários jogos de futebol, incluindo o Famalicão - Sporting do passado sábado.

Ainda segundo a Lusa, os protestos têm sido convocados através de redes sociais, como o WhatsApp e o Telegram.

[notícia atualizada]

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+