Emissão Renascença | Ouvir Online
A+ / A-

Seca no Algarve. Governo aprova medidas de resposta imediata

08 fev, 2024 - 16:57 • Lusa

O Governo anunciou também a aprovação de um montante de 2,2 milhões de euros para as entidades gestoras dos aproveitamentos hidroagrícolas do Algarve assegurarem "níveis mínimos de manutenção e exploração das infraestruturas públicas".

A+ / A-

O Algarve está em situação de alerta devido à seca e vai ser dada uma resposta imediata de caráter temporário para racionalizar consumos de água que permitam à região iniciar 2025 com reservas, determinou hoje o Conselho de Ministros.

Segundo uma resolução aprovada esta quinta-feira, em Conselho de Ministros, o Governo "reconhece a situação de alerta na região do Algarve, por motivo de seca, e aprova um quadro de medidas de resposta imediata, de caráter temporário, para a redução de consumos e racionalização da utilização dos recursos hídricos".

As medidas vão permitir "ultrapassar as necessidades essenciais da época do verão e terminar o ano de 2024 com reservas para 2025".

"Para além de medidas estruturais que se encontram em curso, a implementação de medidas de resposta imediata que minimizem os efeitos da conjuntura de seca é essencial face à situação de seca prolongada na região do Algarve que tem vindo a agravar a situação de escassez hídrica da região", justificou o Governo.

A resolução autoriza também "apoios para as medidas extraordinárias" e a realização de despesa a executar por "diversas entidades".

O Governo anunciou também a aprovação de um montante de 2,2 milhões de euros para as entidades gestoras dos aproveitamentos hidroagrícolas do Algarve assegurarem "níveis mínimos de manutenção e exploração das infraestruturas públicas".

Cortes de água no setor urbano e agricultura

Em janeiro, o ministro do Ambiente e da Ação Climática anunciou para o Algarve cortes de água de 25% na agricultura e de 15% no setor urbano, que inclui o turismo, para preservar as reservas de água e fazer face à seca.

A decisão, tomada após uma reunião da Comissão Permanente de Prevenção, Monitorização e Acompanhamento dos Efeitos da Seca, foi justificada por Duarte Cordeiro pela necessidade de tomar medidas para garantir que haverá água na região em 2025.

Entretanto, na passada sexta-feira, o presidente da Comunidade Intermunicipal do Algarve (AMAL) anunciou que estava a ser preparada uma proposta de agravamento do tarifário da água no Algarve, entre 15 e 50%.

Segundo António Miguel Pina, o primeiro escalão não terá qualquer aumento, sendo aplicado um aumento de 15% no segundo escalão, de 30% no terceiro e de 50% no quarto e último escalão, a partir de março.

Na quarta-feira, os três presidentes de Câmara eleitos pelo PSD no Algarve mostraram-se indisponíveis para aumentar o preço da água, alegando que o aumento constituiria uma "injusta e injustificada decisão para com os munícipes".

Rogério Bacalhau (Faro), José Carlos Rolo (Albufeira) e Francisco Amaral (Castro Marim) defendem "que não podem ser os algarvios a pagar a total ausência de ação por parte do Governo" que foi "incapaz de tomar medidas destinadas a enfrentar o problema".

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+