A+ / A-

Crise no SNS causa pressão sem precedentes nos hospitais das Misericórdias

27 dez, 2023 - 06:44 • Henrique Cunha

Os habituais tempos de espera para consulta que demoravam, no máximo uma hora, ultrapassam agora, em alguns casos as quatro horas. A Renascença sabe que, em alguns hospitais das Misericórdias já foram ultrapassadas as horas contratualizadas com o Estado para Serviço de Atendimento Permanente.

A+ / A-

A preocupação com a pressão no atendimento dos hospitais das Misericórdias começou a sentir-se antes do Natal e ganhou maior dimensão nos últimos dias, com alguns responsáveis a admitir tempos de espera para consulta superiores a três horas. E a ponderar mesmo a contratação de médicos para fazer face a esses tempos de espera que habitualmente nunca eram superiores a uma hora.

Numa troca de informação entre responsáveis pelas unidades de saúde das Misericórdias, a que a Renascença teve acesso, um provedor revelava que num determinado dia, pouco antes das duas da tarde tinha quase 60 doentes em espera e que o tempo para atendimento estava “nas quatro horas”. Esse responsável dizia que estavam constantemente a chegar doentes de outros hospitais e lamentava não “poder fazer nada, mesmo reforçando o número de médicos”.

Noutro caso, um outro provedor também partilhou a sua preocupação com “a afluência ao SAP (Serviço de Atendimento Permanente)” em que já se tinha ultrapassado o que “está no contrato programa “estabelecido com o Ministério da Saúde". O responsável admitia “milhares de consultas efetuadas sem receber, sem ser compensados por isso” e afirmava que, se cobrassem alguma coisa aos utentes, “o Ministério da Saúde vai dizer que quebramos o acordo e vai querer denunciá-lo”.

Perante este conjunto de preocupações, um outro responsável perguntava se não seria melhor “fazer chegar a situação ao Diretor Executivo do SMS e solicitar alguma resposta?”.

De acordo com fonte da União das Misericórdias Portuguesas (UMP), os hospitais do setor social “nunca antes viveram uma situação idêntica há que agora se verifica”. A nossa fonte referiu mesmo que os serviços de saúde das Misericórdias estão “a substituir os hospitais do SNS” e lamentou o facto de não serem compensados por isso.

Saiba Mais
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+