32,08%
8 Deputados
31,11%
7 Deputados
9,79%
2 Deputados
9,07%
2 Deputados
4,26%
1 Deputados
4,12%
1 Deputados
3,76%
0 Deputados
1,22%
0 Deputados
2,62%
0 Deputados
  • Freguesias apuradas: 3092 de 3092
  • Abstenção: 63,48%
  • Votos Nulos: 0,77%
  • Votos em Branco: 1,20%

A+ / A-

Jornalistas da Global Media ouvidos no Parlamento. “A democracia está a ser atacada"

20 dez, 2023 - 14:23 • Manuela Pires , Miguel Marques Ribeiro

O prazo para as rescisões amigáveis termina esta quarta-feira. A confirmar-se o despedimento de 200 trabalhadores, pode estar em causa o funcionamento de JN, TSF, DN e O Jogo.

A+ / A-

Os deputados receberam esta quarta-feira os conselhos de redação do JN, TSF, DN e O Jogo.

A audição parlamentar realizou-se na Comissão de Cultura, Comunicação, Juventude e Desporto para discutir o despedimento coletivo no grupo Global Media.

Ana Luísa Magalhães, do jornal O Jogo deu conta dos jornalistas que estão a recibos verdes e que vão deixar de colaborar com a diário desportivo do grupo.

“Gostava muito que isto não voltasse a acontecer e que o Estado garantisse meios legais para evitar que qualquer um entre por um grupo de comunicação e vire aquilo do avesso”, declarou.

A jornalista avisou que está em causa o próprio regime democrático: “é a democracia que está a ser atacada, é a democracia que está a ser ameaçada”.

Judith Menezes e Sousa, do Conselho de Redação da TSF, afirmou que o plano de despedimentos da rádio coloca em causa o seu funcionamento, numa altura em que se esgota o prazo dado pela Administração para a realização de rescisões amigáveis.

“Este processo, que hoje termina, pretende tirar trinta pessoas do universo da TSF, que é de 70 trabalhadores”.

A jornalista sublinhou que o órgão de comunicação “já está a funcionar para lá dos limites possíveis”.

“Como é que será possível funcionar desta forma?”, caso sejam cumpridas as quotas de despedimentos definidas pela empresa, questionou.

Também Filipe Santa Barbara, da comissão de trabalhadores da TSF, garantiu que a redação já está a funcionar no limite, em termos de recursos humanos, devido à saída de dois trabalhadores.

“Ainda não houve um despedimento, e já não conseguimos assegurar noticiários no próximo fim de semana”.

Embora o conselho de administração da Global Media tenha manifestado a vontade de conservar a TSF no seio do grupo, a rádio está a perder a sua identidade, opinou o representante dos trabalhadores .

“A TSF que nós temos hoje já não é a TSF que era” e a verificar-se o número de rescisões planeado a situação tenderá a agravar-se. “ A TSF não será aquilo que os portugueses, inclusive os senhores deputados estão habituados a ouvir ao longo destes 35 anos”, referiu.

Os jornalistas do Grupo Global Media continuam sem respostas por parte da administração do grupo. Esta quarta-feira termina o período de rescisões amigáveis. O objetivo é chegar aos duzentos despedimentos. Só na TSF estão em causa trinta postos de trabalho.

Saiba Mais
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+