A+ / A-

JN vai recorrer a todos os meios legais e judiciais contra despedimento coletivo

17 dez, 2023 - 15:15 • Lusa

No JN, os despedimentos afetarão 40 pessoas, tendo a direção do jornal decidido demitir-se esta semana.

A+ / A-

Os trabalhadores do Jornal de Notícias (JN), que enfrentam um despedimento coletivo, garantiram este domingo que vão recorrer a todos os meios legais e judiciais para defender os seus direitos, depois de terem a vida transformada num calvário.

"Sim, o JN recorrerá a todos os meios legais e judiciais para fazer valer os direitos dos seus trabalhadores, cuja vida está transformada num calvário, apesar de diariamente e com enorme empenho fazerem um jornal que é economicamente sustentável", adiantam os trabalhadores num manifesto sob o nome "A administração e nós".

No dia 6 de dezembro, em comunicado interno, o Global Media Group (GMG), a que pertence o JN, anunciou que iria negociar com caráter de urgência rescisões com 150 a 200 trabalhadores e avançar com uma reestruturação que diz ser necessária para evitar "a mais do que previsível falência do grupo".

No JN, os despedimentos afetarão 40 pessoas, tendo a direção do jornal decidido demitir-se esta semana.

No documento, a redação do JN salienta não haver memória de um "ataque tão violento" à identidade do JN.

Criticando a Comissão Executiva, liderada por José Paulo Fafe, os trabalhadores referem que o diário não precisa de quem, todos os dias, desvaloriza o seu potencial.

"Não, o JN não carece de criativos que conhecem muita gente, como se autointitula José Paulo Fafe. Precisa de pessoas dedicadas e laboriosas que aportem valor ao título e precisa que os seus acionistas avaliem o prejuízo reputacional e económico causado pelas repetidas declarações públicas de José Paulo Fafe, em que coloca o GMG próximo da falência", reforçam.

Pedindo respeito, os trabalhadores ressalvam que o JN dá lucro, continua a ser mais lido do que alguns títulos de referência e é viável.

E acrescentam: "Sim, o JN vende, em média, 23 mil exemplares por dia (dados de outubro)".

No início do mês, os trabalhadores do JN estiveram em greve, o que se traduziu na primeira vez em mais de 30 anos que o título não chegou às bancas.

Saiba Mais
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+