Emissão Renascença | Ouvir Online
A+ / A-

reportagem

Mesa de Natal. "É o normal, não é cá grandes coisas"

11 dez, 2023 - 09:35 • João Cunha

Os produtos clássicos da consoada estão cada vez mais caros, como o bacalhau e o azeite. Ainda assim, a tradição vai continuar a ser o que era - ainda que em muitos casos, seja com mesas menos fartas.

A+ / A-
Mesa de Natal. "É o normal, não é cá grandes coisas". Reportagem de João Cunha
Ouça aqui a reportagem de João Cunha/RR

Estaciona o carro, vai ao bolso procurar uma moeda e retira um carrinho de compras, antes de se dirigir para uma das entradas de uma grande superfície comercial na Amadora.

"É inconcebível, mas enfim, é o que temos e é aquilo em que temos de alinhar, não há hipótese", diz António Dias, à Renascença, que lembra que já no ano passado, o preço do azeite tinha começado a subir. Mas este ano, atingiu valores recorde, superiores a 75%, fazendo com que atualmente, um litro de azeite custe, em média, 10 euros.

Como se não bastasse, também o bacalhau está mais caro, com o preço a subir também desde 2022.

Ainda assim, Alexandra Santos vai ter na ceia de Natal "um bacalhauzinho", bem regado com um azeite que já comprou. Mas teve de cortar nas despesas.

"Eu costumo dar prendas aos meus filhos e aos meus netos, mas este ano não dou, porque há muita despesa. Pagar as contas e a comida, é o que o dinheiro dá para fazer", afirma.

Abriga-se por momentos da chuva miudinha que começa a cair com um dos sacos ainda vazios de compras. Joana Matos também segue o mesmo princípio.

"Vou tentar ter uma mesa um bocadinho mais farta, mas contive-me mais nas prendas que vou oferecer", diz. Porque o importante é dar valor ao que interessa, que "é estar com a família, em convívio".

Mas é um convívio que sai caro, como adianta. "São valores muito elevados, muitos deles não se justificam. E quem acaba sempre por ser penalizado é o consumidor".

Já Lídia Carvalho é da opinião que vai ser tudo mais ou menos igual - apesar da conjuntura. Porque as pessoas, diz, "ainda não estão convencidas que isto, realmente, está uma lástima e vai ficar cada vez pior".

Por isso, "as pessoas acabam por comprar mais ou menos o de sempre. Não vão com certeza abolir a mesa de Natal".

Em algumas, o bacalhau não entra no Natal. como na casa de Elisabete Rodrigues. "O meu Natal é diferente. Eu faço as coisas da minha terra, Cabo Verde. Eu prefiro ter à mesa atum ou algum peixe de lá". Com arroz a acompanhar, diz à Renascença.

O azeite "que subiu muito", também entra na confeção.

De braço dado com a mãe, Paula Ramos aproxima-se. Diz que a ceia de Natal "vai ser igual a de todos os anos, no prato" - e solta de imediato uma gargalhada depois da piada rápida que acaba de fazer.

Mas depois, mais séria, assegura que pode ter uma ceia de Natal farta, porque ao contrário de muitos, pode.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+