Tempo
|
A+ / A-

Ministro da Cultura espera que próximo Governo retome intenção de comprar a Lusa

07 dez, 2023 - 12:24 • Lusa

Pedro Adão e Silva diz que a capitalização da agência Lusa seria uma forma "mais eficaz e eficiente" de apoiar a comunicação social porque apoia todos.

A+ / A-

O ministro da Cultura espera que o próximo Governo retome a intenção de comprar a agência Lusa, processo que estava em curso e que não foi concluído devido ao atual contexto político.

"É conhecido que, recentemente, o Estado estava em negociações para ficar com a quase totalidade do capital da agência Lusa e essas negociações não foram possíveis, não foram concluídas por motivos políticos, tem a ver com o contexto político que vivemos", disse Pedro Adão e Silva à entrada para o Conselho de Ministros que se realiza na Câmara Municipal do Porto, esta quinta-feira.

Depois de ter recebido um manifesto dos jornalistas do Jornal de Notícias (JN), diário que enfrenta um eventual despedimento coletivo, o governante explicou que a intenção do atual Governo era aumentar a indemnização compensatória da agência Lusa já em 2024 e, dessa forma, tornar o seu serviço gratuito para toda a comunicação social.

E acrescentou: "A agência Lusa pode ser um instrumento muito interessante e muito relevante para apoiar o jornalismo e a comunicação social".

A capitalização da agência Lusa seria uma forma "mais eficaz e eficiente" de apoiar a comunicação social porque apoia todos, considerou Pedro Adão e Silva.

O que estava a ser preparado pelo Governo iria ter um grande impacto na comunicação social, nomeadamente na imprensa regional e local, sublinhou.

"Aquilo que estava a pensar já para o início de janeiro não foi possível, como sabem vivemos um contexto político bastante atípico, e, por isso, há aqui um compasso de espera. O que eu espero é que o próximo Governo retome esta ideia da gratuitidade da agência Lusa", frisou.

Na passada quinta-feira, o Governo anunciou que o processo de compra, pelo Estado, de 45,7% da agência Lusa, pertencentes à Global Media e à Páginas Civilizadas, falhou por "falta de um consenso político alargado".

"No momento atual, não existindo um consenso político alargado, a operação revelou-se inviável", adiantou o Ministério da Cultura num comunicado intitulado "Estado não adquire participações sociais na Lusa".

Em quase quatro páginas, o Ministério da Cultura explicou todo o processo, desde agosto, com a "manifestação de interesse dos acionistas" da Global Notícias Media Group da Páginas Civilizadas em "alienar as participações sociais que detêm na Lusa", altura em que o ministro da Cultura "mostrou abertura para iniciar uma negociação para que o Estado pudesse vir a assumir uma posição mais significativa na estrutura acionista" da agência.

Numa altura em que o Governo entra em gestão na sexta-feira, o ministro da Cultura assumiu que gostaria de ter feito "muito mais coisas" durante o meu mandato.

Mas, apesar de tudo, Pedro Adão e Silva recordou que na reprogramação do Plano de Recuperação e Resiliência (PRR) incluiu 10 milhões de euros para digitalizar os arquivos das televisões, trabalhou na capitalização da RTP e estava a trabalhar na da agência Lusa.

Saiba Mais
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+