Emissão Renascença | Ouvir Online
A+ / A-

Efacec. País "nada ganha" com venda à Mutares que "suscita apreensão"

02 nov, 2023 - 15:12 • Lusa

Fundo alemão vai invejtar 15 milhões de euros em capital e 60 milhões de euros em garantias na empresa.

A+ / A-

A Fiequimetal (Federação Intersindical das Indústrias Metalúrgicas, Químicas, Elétricas, Farmacêutica, Celulose, Papel, Gráfica, Imprensa, Energia e Minas) disse esta quinta-feira que o país "nada ganha" com a venda da Efacec à Mutares e que a operação "suscita apreensão".

Em comunicado, a Fiequimetal indicou que "suscita uma grande apreensão o anúncio, feito ontem [quarta-feira] pelo Governo, de que ficou concluída a venda, praticamente de mão beijada, da Efacec à Mutares", que, realçou a organização, é "um fundo de investimento alemão que se dedica à aquisição de médias empresas em situação complexa".

Justifica-se, por isso, "redobrada vigilância por parte dos trabalhadores", salientou.

"A Efacec, uma empresa portuguesa de alto valor acrescentado, passará para as mãos de um fundo de investimento estrangeiro, que entrará neste negócio numa posição confortável e com uma taxa de esforço mínima, no que diz respeito ao investimento", referiu a Fiequimetal, considerando que o "país nada ganha com esta opção e teria tudo a ganhar com a definitiva nacionalização".

Recordando os valores já injetados pelo Governo na Efacec, a que se juntam "mais 160 milhões, a somar aos 35 milhões do Banco de Investimento", a federação disse que "estes números têm uma tradução direta", com o Estado a "sanar e alavancar financeiramente uma empresa, para depois a entregar a um fundo de investimento com um historial pouco recomendável, no que diz respeito à "salvação" de empresas e à preservação e criação de emprego", garantiu.

A organização sindical recordou que "aquilo que seria recomendável" era "a nacionalização de uma empresa estratégica para a economia nacional e com reconhecimento internacional nas áreas da energia e da mobilidade".

Segundo a Fiequimetal, a Efacec é "igualmente um ativo estratégico, numa altura de forte incremento na área das energias renováveis".

"O ministro da Economia pode dormir descansado, depois de um dia que admitiu ter sido feliz. Nós não", avisaram, salientando que "a segurança quanto ao futuro da Efacec não pode ficar entregue a "milagres dos mercados".

O ministro da Economia disse na quarta-feira que o Estado vai injetar mais 160 milhões de euros na Efacec, acrescentando que foi "um dia feliz" por se concluir a venda da empresa ao fundo alemão Mutares.

Em conferência de imprensa no Ministério da Economia, António Costa Silva disse que esta terça-feira foi assinada a venda da Efacec à Mutares e que esta injetará 15 milhões de euros em capital e 60 milhões de euros em garantias.

Já o Estado injetará mais 160 milhões de euros, anunciou. Até esta quinta-feira, o Estado já tinha injetado 200 milhões de euros na empresa em suprimentos (10 milhões de euros por cada mês desde abril de 2022).

Costa Silva destacou a importância de Efacec como "grande empresa tecnológica" para a economia portuguesa, referindo vários projetos em que está envolvida, acrescentando que deixá-la cair teria sido "desastroso para a economia portuguesa" e sobretudo para a região Norte.

"Teria um efeito desastroso na economia portuguesa e sobretudo na região norte, região do Porto e Matosinhos que já sofreu com o encerramento da refinaria da Galp. O colapso da Efacec teria efeitos devastadores", disse.

O governante afirmou ainda que a Mutares tem o compromisso de manter o centro operacional e de decisões da Efacec em Portugal.

Em abril, a Parpública anunciou ter recebido propostas vinculativas melhoradas de quatro candidatos à compra de 71,73% da Efacec, no âmbito do processo de reprivatização da empresa.

A Efacec, que tem sede em Matosinhos, conta com cerca de 2.000 trabalhadores.

Saiba Mais
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+