A+ / A-

FNAM. Eventual caos em novembro será responsabilidade do ministro da Saúde

24 out, 2023 - 09:27 • Hugo Monteiro , Daniela Espírito Santo

Federação Nacional dos Médicos reage a entrevista do diretor executivo do SNS.

A+ / A-

A presidente da Federação Nacional dos Médicos (FNAM), Joana Bordalo e Sá, diz que qualquer fatalidade devido a constrangimentos nas urgências que possam ocorrer em novembro serão sempre da responsabilidade do ministro da Saúde.

Em declarações à Renascença, Joana Bordalo e Sá contesta declarações do diretor-executivo do SNS, Fernando Araújo, ao jornal Público, admitindo que novembro poderá ser "dramático" nos hospitais, se não houver acordo entre Governo e sindicatos médicos.

Para Joana Bordalo e Sá, o que acontecer no próximo mês será responsabilidade do Executivo. "Os médicos não têm falta de ética por estarem a colocar as minutas das 150 horas. O que eu considero falta de ética são os salários dos médicos em Portugal serem dos mais baixos da Europa", diz a dirigente.

"Os médicos já estão a trabalhar no seu limite há muito muito tempo. A responsabilidade, se acontecer alguma fatalidade, alguma morte indesejada pelo encerramento do serviço de urgência em novembro, será da sua inteira responsabilidade", garante Joana Bordalo e Sá, mencionando o ministro da Saúde, Manuel Pizarro.

Perante este cenário, um acordo entre Governo e médicos só será possível se o Executivo acomodar as propostas dos médicos, assegura Bordalo e Sá.

"Para haver acordo é necessário que os médicos sejam ouvidos e que as nossas propostas sejam incorporadas", assevera, adiantando que, "nos últimos 18 meses", nenhuma proposta do sindicato foi "ouvida e incorporada".

"Nós temos a solução. O Governo é que parece não a querer ouvir", remata.

Saiba Mais
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • António dos Santos
    24 out, 2023 Coimbra 13:10
    Aqui estão os médicos no seu melhor!!! Ainda não entenderam que só têm direito a reclamar, quando deixarem de ROUBAR o erário público, quando emitem atestados e baixas médicas falsas e deixem de pôr o dedo de manhã quando chegam ao local de trabalho, saem de imediato e no final do dia vão colocar o dedo para dizerem que saíram. PAREM!!! SEJAM MULHERES E HOMENS SÉRIOS, POR FAVOR!!!

Destaques V+