Emissão Renascença | Ouvir Online
A+ / A-

Auditoria por irregularidades

Ministra do Trabalho garante que não autorizou investimentos da Santa Casa Global

27 set, 2023 - 14:58 • Lusa

Ana Mendes Godinho esteve a ser ouvida no Parlamento sobre a situação financeira da Santa Casa da Misericórdia de Lisboa.

A+ / A-

A ministra do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social garantiu esta quarta-feira que só autorizou a constituição da sociedade Santa Casa Global para a internacionalização dos jogos sociais, não tendo permitido investimentos posteriores, no total de 27 milhões de euros.

Ana Mendes Godinho esteve a ser ouvida na comissão parlamentar de Trabalho, Segurança Social e Inclusão, a pedido dos grupos parlamentares do PSD e do Chega, sobre a situação financeira da Santa Casa da Misericórdia de Lisboa, onde uma das principais questões foi a internacionalização dos jogos sociais e a posterior constituição da sociedade Santa Casa Global.

Perante as questões e dúvidas colocadas pelos deputados, a ministra explicou que a vontade de avançar com a internacionalização surgiu para dar resposta à “quebra evidente das receitas” da instituição e à necessidade de procurar novas fontes de financiamento e que quando foi feito o pedido para a internacionalização, a ministra colocou várias condições.

“Autorizei a constituição da sociedade nos termos que foram evidenciados pela Santa Casa da Misericórdia de Lisboa, colocando desde logo a condição de que todas as receitas devessem ser integralmente afetas aos fins e aos âmbitos estatutários da Santa Casa”, afirmou Ana Mendes Godinho, nunca mencionando o valor aprovado para a constituição da sociedade.

Na audição anterior, no entanto, a provedora da Santa Casa da Misericórdia de Lisboa adiantou que essa autorização foi dada para um investimento inicial de cinco milhões de euros, apesar de o valor total investido rondar os 27 milhões de euros, diferencial para o qual não terá sido pedida autorização à tutela.

“Esclareço que não me foi pedida autorização para outra intervenção ou para outra operação de investimento que não fosse esta, a autorização para a constituição inicial da sociedade”, disse Ana Mendes Godinho.

De acordo com a ministra, o despacho de autorização, que a ministra pediu que fosse distribuído aos deputados, definia que “todo e qualquer investimento que viesse a ser feito tinha que ser sempre precedido de uma rigorosa análise técnica e financeira que avaliasse todas as condicionantes do negócio”.

A autorização para a constituição foi dada depois de avaliação ao nível da despesa, pedida em 2021, e a ministra referiu que nas condições à internacionalização impôs que “todas as receitas fossem afetas aos fins estatutários da Santa Casa da Misericórdia de Lisboa”, que a sociedade teria de ter sede na União Europeia e que “todos os investimentos fossem sujeitos a autorização da tutela”.

“Para garantir que a internacionalização não punha em causa a sustentabilidade da Santa Casa da Misericórdia de Lisboa”, disse a ministra.

Explicou que o pedido de uma auditoria às contas da instituição surgiu depois de terem sido detetadas “irregularidades administrativas e financeiras relativas à utilização de saldos”.

“Fui sempre implacável no sentido de garantir que as orientações que dava à Santa Casa era para que a sustentabilidade económica financeira fosse sempre colocada em primeiro lugar para não colocar em risco a sua intervenção”, sublinhou, acrescentado estar a aguardar os resultados finais das auditorias.

Apesar das “contrariedades”, a ministra garantiu que o orçamento da SCML para 2024 é “equilibrado” e garante o cumprimento da missão da instituição, ressalvando que a não aprovação dos relatórios de contas “nunca colocou em risco a atividade da Santa Casa”.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Americo
    27 set, 2023 Leiria 14:35
    "..Autorizei a constituição da sociedade nos termos que foram... Não seria difícil prever que era uma tontaria ?

Destaques V+