Emissão Renascença | Ouvir Online
A+ / A-

​Greve adia (outra vez) audição de Eduardo Cabrita no tribunal

01 set, 2023 - 17:25 • Liliana Monteiro , Cristina Nascimento

Oficiais de justiça param a 4 de setembro. Audição do antigo ministro da Administração Interna já tinha sido interrompida por uma greve, em junho.

A+ / A-

O antigo ministro Eduardo Cabrita já não vai ser ouvido em tribunal na próxima segunda-feira. A audiência, no âmbito do debate instrutório do caso do atropelamento mortal na A6, foi adiada devido à greve dos oficiais de justiça marcada para 4 de setembro.

A informação foi avançada à Renascença por fonte ligada ao processo.

Ainda antes de ser conhecido o adiamento da sessão, José Joaquim Barros, advogado que representa a família do homem atropelado na A6 pelo carro em que seguia Cabrita, descrevia que, em junho, o processo já tinha sido perturbado por uma greve.

"O Dr. Eduardo Cabrita começou a ser ouvido antes das férias judicias e foi ouvido apenas pelo senhor juiz porque, entretanto, às 15h30 a senhora oficial de justiça diz que entrava em greve", descreve.

Para já não é conhecida nova data para a audiência que devia ter lugar na próxima segunda-feira, no Tribunal de Instrução Criminal de Évora.

Eduardo Cabrita e o seu então chefe de segurança, Nuno Dias, foram na altura interrogados como arguidos, à porta fechada. Em junho de 2021, Nuno Santos, funcionário de uma empresa que realizava trabalhos de manutenção na A6, foi atropelado mortalmente pelo automóvel em que seguia o então ministro da Administração Interna Eduardo Cabrita, no concelho de Évora.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+