A+ / A-

Suspeito da morte de agente da PSP Fábio Guerra entregou-se

18 set, 2023 - 10:18 • Lusa com Redação

Clóvis Abreu estava em fuga há um ano e meio.

A+ / A-

Clóvis Abreu, suspeito de ter participado no homicídio do agente da PSP Fábio Guerra à porta de uma discoteca em Lisboa, entregou-se esta manhã no Ministério Público, no Campus de Justiça. A notícia é avançada pela CNN Portugal.

O suspeito, Clóvis Abreu, surgiu acompanhado pelo advogado Aníbal Pinto, depois de mais de um ano e meio sem se apresentar às autoridades, tendo agora ficado à guarda da Polícia Judiciária.

"Há um ano e meio o senhor Clóvis Abreu fez um requerimento a dizer que se queria apresentar e aguardou que fosse marcado. Houve uma dificuldade de comunicação, um engano, não sei o que aconteceu... Nunca recebeu um requerimento a dizer para se apresentar. Portanto, tornou a fazer outro requerimento, teve a resposta e hoje apresentou-se", explicou o mandatário aos jornalistas. Em declarações às televisões à saída do Departamento de Investigação e Ação Penal (DIAP) de Lisboa, Aníbal Pinto lembrou que Clóvis Abreu se apresentou hoje de forma voluntária - após a entrega ter sido inicialmente anunciada para o último sábado - e que isso deveria significar uma medida de coação aplicada pelo juiz de instrução criminal que não implicasse a privação de liberdade. "Estava perfeitamente ciente de que poderia e deveria ser detido, no meu entender de forma desnecessária. Amanhã, o juiz de instrução vai aplicar uma medida de coação, aguardaremos. Para que ele seja privado de liberdade é preciso que exista um dos pressupostos... Não há perigo de fuga, não há perigo de continuação da atividade criminosa, não há perigo de perturbação de inquérito", salientou. O advogado refutou ainda qualquer envolvimento do seu cliente na morte do agente Fábio Guerra, ao invocar as imagens de videovigilância da área exterior da discoteca Mome que foram publicamente divulgadas por ocasião do julgamento dos ex-fuzileiros Cláudio Coimbra e Vadym Hrynko, condenados a 20 e 17 anos de prisão, respetivamente, no âmbito deste caso. "Da visualização das imagens que foram tornadas exaustivamente públicas, Clóvis Abreu nunca atingiu o malogrado agente da PSP. Nunca esteve sequer perto dele. Não sei qual é o entendimento do Ministério Público. As imagens são públicas e não há dúvida nenhuma", referiu, continuando: "Se atribuem agressões que não estão nas imagens, devem estar equivocados. Estou a reportar-me às imagens e uma imagem vale mais do que mil palavras". Aníbal Pino disse ainda que Clóvis Abreu tinha vontade de se apresentar às autoridades já "há ano e meio" e garantiu não saber se o suspeito esteve durante este período em Espanha. "Na minha opinião, nunca esteve fugido, porque ele nunca foi notificado para ser presente. Agora, teve conhecimento, cá está e amanhã o juiz de instrução irá decidir de acordo com a lei", sintetizou, esclarecendo que Clóvis Abreu deve permanecer nos calabouços da PJ até ser presente a juiz para o primeiro interrogatório.

O suspeito tinha tentado entregar-se este sábado à Justiça, mas o Ministério Público recusou, com a informação para regressar na segunda-feira, à hora do expediente normal dos “serviços de Justiça”.

A decisão ocorre após o julgamento e condenação dos outros dois envolvidos - os ex-fuzileiros Cláudio Coimbra e Vadym Hrynko- a 20 e 17 anos de prisão.

O agente da PSP Fábio Guerra, 26 anos, morreu em 21 de março de 2022, no Hospital de São José, em Lisboa, devido a "graves lesões cerebrais" sofridas na sequência das agressões de que foi alvo no exterior da discoteca Mome, em Alcântara, quando se encontrava fora de serviço.

Saiba Mais
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • ze
    18 set, 2023 aldeia 13:55
    Vamos esperar pelo desfecho e pela pena aplicada na sentença.

Destaques V+