A+ / A-

Educação

"Nada tem resultados imediatos". Ministro pede "tempo" aos professores

13 set, 2023 - 14:30 • Lusa

João Costa recusou não existir diálogo com os professores e diz que resolver problemas antigos "não se faz sem dores".

A+ / A-

O ministro da Educação afirmou esta quarta-feira que os problemas não se resolvem "de um dia para o outro" e defendeu ser preciso tempo, mas também medidas de médio e longo prazo, para resolver a falta de professores.

"Não há nada que se faça em educação que tenha resultados imediatos. Nada. Qualquer ilusão de que se estala o dedo e os problemas estão todos resolvidos não passa disso, é mesmo uma ilusão", afirmou João Costa à margem de uma visita à Escola Secundária Alexandre Herculano, no Porto, onde foi recebido, junto com o primeiro-ministro, por uma manifestação de professores.

O ministro recusou não existir diálogo com os professores e destacou que o Governo está a trabalhar para resolver os problemas relacionados com a carreira e o recrutamento de docentes.

"O que estamos a fazer, e isto não se faz sem dores, é a agir perante esses problemas muito antigos e, portanto, esse é um caminho. Quando temos uma disfuncionalidade de 20 e 30 anos, não se resolve de um dia para o outro", acrescentou.

Questionado sobre se o facto de afirmar ser preciso tempo representa um sinal de esperança para os docentes, João Costa disse existirem várias matérias a trabalhar com as organizações sindicais e com os representantes dos professores, como a desburocratização do sistema, a vinculação dos técnicos especializados e a operacionalização do acelerador das carreiras. .

Também questionado sobre a falta de professores nas escolas públicas, o ministro admitiu ser o "problema que ocupa o espaço central no programa do Governo" e que, à semelhança de outros, é também herdado.

"Conseguimos, apesar de estarmos longe de ter todas as necessidades satisfeitas, de sexta para terça-feira reduzir em número absoluto 500 horários face aos que faltavam. Entre sexta e terça-feira tivemos capacidade de resolver 1.000 horários que estavam sem professor. Esta máquina funciona, temos zonas com maior preocupação, mas não paramos de trabalhar", acrescentou. .

O ministro lembrou, contudo, que a falta de professores é um problema que requer "muitas medidas", tanto de emergência, como a médio e a longo prazo face ao ritmo de aposentações previsto.

Já quanto ao número de alunos sem professores, o ministro salientou que "ninguém consegue dizer ao dia de hoje exatamente quantos alunos podem ter falta de professor a uma disciplina", notando que qualquer projeção feita neste momento "é grosseira".

"Sem com isto menorizar o problema", acrescentou.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Mário Rodrigues
    13 set, 2023 Leiria 14:25
    Este indivíduo nega tudo e o seu contrário, com a mesma desfaçatez com que também afirma tudo e o seu oposto. Só continua no cargo porque mais ninguém se presta a fazer as baixarias e indignidades que ele vai perpetrando contra a escola pública. Não é fácil, ou talvez não seja possível, encontrar para o cargo criatura eticamente tão rasteira!...

Destaques V+