Tempo
|
A+ / A-

Barómetro da Pobreza

Cáritas. Números da pobreza em Portugal são "assustadores"

06 set, 2023 - 10:54 • Redação

Rita Valadas alerta que instituição tinha famílias doadoras que agora precisam de ajuda.

A+ / A-

A presidente da Cáritas portuguesa, Rita Valadas, considera assustadores os números divulgados, esta quarta-feira, pelo primeiro Barómetro Europeu sobre Pobreza e Precariedade. Em declarações à Renascença, Valadas explica que os números agora conhecidos são inéditos e que há cada vez mais pessoas em situação de pobreza.

"Não é de estranhar que as pessoas que começaram - já há muito tempo e com crises sucessivas - a encontrar soluções alternativas para cortar tudo quanto podiam cheguem a este ponto. É assustador porque, de acordo com o estudo, 50% das pessoas não têm capacidade para pagar as suas despesas mensais. Nós, neste momento, estamos a falar de 50%. Nós nunca falamos de 50% de pessoas em situação de pobreza", alerta.

A presidente da Cáritas realça que os indicadores presentes no Barómetro revelam "pessoas que têm vindo a ver a sua capacidade de reagir a estas crises sucessivas, aos encontrões que levam na capacidade de usar o seu rendimento para pagar despesas que são, cada vez mais, de primeira necessidade. E são novas, não são as mesmas pessoas", esclarece.

Os dados do barómetro revelam que quase metade dos europeus desistiram de aquecer as suas casas no inverno, devido a uma situação económica difícil. Por outro lado, os países onde se sentem mais dificuldades também são mais solidários. É o caso de Portugal, onde 84% dos inquiridos mostra-se disponível para ajudar pessoas que vivem na pobreza. Rita Valadas lembra o período de pandemia, onde a solidariedade dos portugueses foi fundamental no apoio às dificuldades sentidas.

"Nós somos um país absolutamente fantástico no que diz respeito à solidariedade. Durante o tempo de pandemia houve um aumento de solidariedade que foi importantíssimo, porque o setor solidário foi inquestionável no apoio e na resolução das situações mais difíceis."

"Tínhamos famílias que eram doadoras e que estão, neste momento, a passar dificuldades"

A presidente da Cáritas distingue as estatísticas da realidade que diz ver na rua. Designando-se "técnica do terreno", considera que, "se olharmos só para os números, se calhar conseguimos fazer uma estatística bonita". "Mas eu sou técnica do terreno e as pessoas não saíram da situação".

Rita Valadas esclarece que o setor social não está a ser capaz de retirar as pessoas da situação de pobreza.

"Tristemente - eu gostava muito de não ter que dizer isto, mas o que nós estamos a falar são pessoas de quem o setor solidário cuida, não retirando da pobreza porque não conseguimos sair da emergência."

A dirigente dá o exemplo da campanha "inverter a curva da pobreza", que a organização humanitária lançou em 2020 e mantém a decorrer, que ficou "muito àquem das necessidades".

Valadas alerta, ainda, que o estrangulamento financeiro das pessoas está a comprometer as doações e a dificultar o trabalho do setor solidário.

"Os donativos já vêm sendo cada vez menores. Nós temos famílias que eram doadoras e que estão, neste momento, a passar dificuldades, para as quais nós tivemos de encontrar soluções, porque elas próprias também estão em situação de risco", remata.

Saiba Mais
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • JM
    06 set, 2023 Seixal 14:21
    Ponham o PSD a governar o burgo que no ano a seguir é tudo a comprar Teslas, alugar ou comprar casa para viver, acaba-se logo a pobreza. Aliás, o tipo que agora está à frente do partido é o mesmo que fez parte de um governo em que era preciso ir para além da Troika, ficar desempregado era uma oportunidade na vida convidando os portugueses a emigrar. Houve os que ficaram sem emprego, sem casa, sem família e em desespero acabaram com a vida, sem uma única ajuda do governo. Mete nojo tamanha hipocrisia.

Destaques V+