Tempo
|
A+ / A-

Idosos retirados de lar de Vila Franca de Xira tinham sarna

25 ago, 2023 - 13:39 • Lusa

Dos 40 idosos resgatados, 34 apresentavam "lesões na pele provocadas por infestação por escabiose e percevejos", na sequência de "deficientes cuidados de saúde e higiossanitários".

A+ / A-

Os idosos resgatados esta semana de um lar ilegal em Vila Franca de Xira apresentavam sinais de "deficientes" cuidados de saúde e a maioria estava infetada com sarna, confirmou à agência Lusa a Autoridade de Saúde Pública local.

Em causa está a retirada de 40 idosos, que decorreu entre terça e quarta-feira, de um lar ilegal que funcionava numa moradia na Quinta Nossa Senhora da Conceição, naquele concelho do distrito de Lisboa.

Numa resposta escrita enviada à Lusa, a Autoridade de Saúde Pública do Agrupamento de Centros de Saúde (ACES) Estuário do Tejo dá conta de que 34 dos idosos resgatados apresentavam "lesões na pele provocadas por infestação por escabiose [vulgarmente conhecida por sarna] e percevejos", na sequência de "deficientes cuidados de saúde e higiossanitários".

"Todos os utentes encontravam-se clinicamente estáveis na observação realizada pela Autoridade de Saúde, com apoio de dois médicos. Após avaliação clínica dos idosos, foram emitidas declarações médicas tanto para os utentes sintomáticos como para os utentes/contactos próximos assintomáticos, com recomendações terapêuticas e preventivas", indica esta entidade.

Nenhum dos utentes teve "necessidade de encaminhamento para cuidados hospitalares".

Na quarta-feira, também numa resposta à Lusa, fonte do Instituto da Segurança Social (ISS) explicou que determinou "o encerramento imediato" deste lar ilegal, na sequência de uma denúncia, e que participou o caso ao Ministério Público.

Depois deste resgate os idosos foram transferidos para estruturas residenciais para pessoas idosas (ERPI) licenciadas.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+