Tempo
|
A+ / A-

Pizarro reconhece necessidade de qualificar resposta de saúde nos lares

05 abr, 2023 - 13:46 • Lusa

O ministro da Saúde defende que "os lares não são hospitais, mas é indiscutível que mais de metade dos idosos internados nos lares são doentes e têm de ter vigilância e assistência regular".

A+ / A-

O ministro da Saúde defendeu hoje a necessidade de qualificar a resposta de saúde nos lares, onde a carga de doença "é muito elevada", dando como exemplo o acesso direto a um médico 24h/dia através do balcão Saúde24.

Questionado pela Lusa sobre a possibilidade de a legislação poder vir a obrigar os lares a terem um médico em permanência - uma ideia defendida pela Associação dos Médicos dos Idosos Institucionalizados (AMIDI) -, Manuel Pizarro disse que a "solução técnica" para melhorar a resposta de saúde nos lares ainda não foi encontrada.

O governante reconheceu a necessidade de continuar a "trabalhar em conjunto com a Segurança Social sobre as soluções técnicas" para melhorar as respostas de saúde nos lares e deu o exemplo do acesso direto ao balcão Saúde 24, que alguns lares já tiveram no inverno e que se pretende generalizar a tempo do próximo inverno.

"Não temos ainda a solução técnica, mas a orientação política é clara: tem de haver uma qualificação da resposta de saúde nessas estruturas, (...) sobretudo para que as pessoas sejam mais bem tratadas", afirmou o ministro, que falava à Lusa à margem da audição de hoje no grupo de trabalho de Saúde Mental da Comissão Parlamentar de Saúde.

No final de janeiro, o presidente da associação dos médicos dos idosos que estão nos lares defendeu a necessidade de ter clínicos em permanência nestas estruturas, para garantir uma vigilância e assistência regular, evitando muitas vezes o transporte para a urgência.

"Concordo que os lares não são hospitais, mas é indiscutível que mais de metade dos idosos internados nos lares são doentes e têm de ter vigilância e assistência regular", disse na altura João Gorjão Clara, que preside à AMIDI.

O responsável, que é especialista em Medicina Interna, lembrou que muitos dos idosos que vão para os lares têm várias doenças e levam a sua medicação, que muitas vezes não é ajustada com a devida regularidade e defendeu que os médicos que prestam assistência aos utentes dos lares deviam ter formação específica.

"Há lares que nunca têm médico, e aí presumo que a medicação não seja ajustada, em outros o médico vai uma vez por semana e em outros duas vezes", explicou, sublinhando que "isso não cobre as necessidades dos doentes idosos que estão nas ERPI [Estruturas Residenciais Para Idosos]".

Mais de 100.000 idosos vivem nos cerca de 3.500 lares existentes em Portugal, entre lucrativos, setor social e não legalizados.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+