A+ / A-

Mais de 90% dos empresários não aprovam semana de quatro dias de trabalho

25 nov, 2022 - 15:15 • Sandra Afonso

Associação Empresarial de Portugal fez um inquérito, cujas conclusões foram agora divulgadas.

A+ / A-

Um inquérito da Associação Empresarial de Portugal (AEP) concluiu que os empresários consideram a experiência da semana de trabalho de quatro dias benéfica para quem trabalha, mas não para as empresas, indicando um "impacto negativo" nos lucros, na competitividade, na produtividade e na organização.

Os resultados do inquérito foram divulgados esta sexta-feira, dia em que o Orçamento do Estado para 2023 (OE 2023) foi aprovado no Parlamento. O Governo quer avançar com o projeto-piloto da semana de trabalho reduzida em junho do próximo ano.

Neste inquérito foram ouvidos 1.130 patrões e, para mais de um terço, a medida só serve aos funcionários, com outro terço a defender que "não será benéfica para nenhuma das partes" e apenas 10% a dizer que poderá ser “muito benéfica”.

Com uma redução de 20% nas horas de trabalho, sem corte salarial nem apoios, a semana de quatro dias é rejeitada por 94% dos inquiridos.

Os resultados demonstram ainda que 71% de empresários consideram a redução da semana de trabalho negativa ou muito negativa nos lucros, 70% apontam os efeitos na organização interna, 69% alertam para o impacto na competitividade e 65% sobre a produtividade.

O setor da indústria é o mais crítico.

Mesmo com apoios do Estado ou um corte de 10% nos salários, 86% considera a alteração pouco ou nada vantajosa.

Os resultados contrastam com os de um outro inquérito junto de trabalhadores portugueses divulgado no início do mês, em que mais de 80% dos inquiridos disse aprovar a semana de quatro dias de trabalho.

Mas também há vantagens…

A poupança energética é apontada por 40% dos patrões e 24% defendem a redução da possibilidade de acidentes de trabalho. São ainda reconhecidos benefícios na redução do absentismo e gastos de consumíveis.

As principais vantagens recaem sobre o trabalhador, já que a maioria refere melhorias no bem-estar pessoal (83%), na qualidade de vida (78%) e no apoio à família e nos custos com deslocações (76%).

Ainda assim, só 46% diz que esta experiência iria promover a permanência do trabalhador na empresa.

Em alternativa, a maioria dos empresários (77%) concorda com “uma total flexibilidade no modelo a adotar, “por acordo entre o trabalhador e as empresas", parcial ou totalmente.

“Portugal não está preparado”

Para o presidente da AEP, Luís Miguel Ribeiro, "a médio e longo prazo, a medida será negativa tanto para as empresas como para os trabalhadores”, sendo que “Portugal não está preparado” e “a semana de quatro dias vai no sentido contrário daquilo que o país necessita que é aumentar a produtividade e a competitividade".

O líder da AEP alerta ainda para os custos que a medida implica para as empresas, com a contratação de mais pessoal, o que vai aumentar o custo de produção, gerando preços mais altos para os consumidores e agravando a inflação.

Tudo isto num contexto em que as empresas têm dificuldade em contratar.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Jose
    26 nov, 2022 Lisboa 08:57
    Um modo de ver as Coisas mas a meu ver Uma visão arcaica e "one sided". A semana de 4 Dias só pode ser implementada com Uma alteração da tributação sobre as empresas . Teria de ser Uma media fiscalmente neutra . Se as pessoas tivessem 3 Dias em X de 4 mas com mesmo poder de compra o consumo evturismo inferno poderiam crescer e por está via aumentar o revenue fiscal , por outro lado as empresas teriam de ser fiscalmente apoiadas para continuarem competitivas , talv.baixando a TSU de 23.75% para 20% por exemplo. Pode-se Fazer alguma "engenharia fiscal" q tornaria está media fiscalmente neutra , da parte do collaborador tb deveriam haver alguma cedencia , por exemplo aceitava um horário diario até 9 horas qd possivel .
  • Anónimo
    25 nov, 2022 Lisboa 20:10
    E há 50 anos atrás não aprovavam a democracia. Depois vem choramingar que ninguém quer trabalhar para eles.

Destaques V+