A+ / A-

Mulheres na ciência. Portugal é o segundo país europeu com mais patentes femininas

07 nov, 2022 - 23:41 • Lusa

De acordo com o Instituto Europeu de Patentes, só a Letónia supera Portugal em número de mulheres inventoras. No caso português, 26,8% dos pedidos de patentes foram apresentados por mulheres, o dobro da média europeia.

A+ / A-

Portugal é o segundo país na Europa com mais mulheres inventoras, divulgou esta segunda-feira o Instituto Europeu de Patentes (IEP) partindo de um estudo com dados de 2010 a 2019.

Segundo os dados do IEP, depois da Letónia (30,6%), Portugal (26,8%) é o país, entre 34, com uma taxa mais elevada de mulheres inventoras na década passada, entre 2010 e 2019. No fim da tabela surgem Alemanha e Luxemburgo (10,0%), Liechtenstein (9,6%) e Áustria (8,0%).

Os dados baseiam-se no registo de patentes feito junto do instituto.

No caso de Portugal, 26,8% dos pedidos de patentes foram apresentados por mulheres, o equivalente ao dobro da média europeia, com as universidades e os centros de investigação públicos a liderarem no número de inventoras (36%, quase o dobro da média europeia).

Os dados revelam que a química é a área com mais mulheres inventoras (42,3% em Portugal e 22,4% na Europa) e a engenharia mecânica a que tem menos (13,4% em Portugal e 5,2% na Europa).

De acordo com o IEP, a taxa de mulheres inventoras na Europa (13,2%) é superior à do Japão (9,5%), mas inferior à da Coreia do Sul (28,3%), da China (26,8%) e dos Estados Unidos (15,0%).

Citado em comunicado, o presidente do IEP, António Campinos, salienta "os progressos feitos no sentido de uma maior inclusão" das mulheres "no campo das patentes", mas reconhece que "é preciso fazer mais".

"A promoção da mulher na ciência e na inovação continua a ser um grande desafio para a Europa e, no entanto, este é um fator-chave na sua sustentabilidade e competitividade futuras", sustentou.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+