Emissão Renascença | Ouvir Online
A+ / A-

Ginecologia/obstetrícia. Urgência em Abrantes condicionada até segunda-feira

09 jul, 2022 - 15:28 • Lusa

Maternidade do Centro Hospitalar Médio Tejo "não receberá doentes urgentes". Solicitado desvio de utentes grávidas da região para outros serviços de ginecologia e obstetrícia do SNS.

A+ / A-

O serviço de urgência de Ginecologia/Obstetrícia do Centro Hospitalar Médio Tejo (CHMT), localizado na unidade de Abrantes, vai estar "condicionado" entre as 9h00 de domingo, dia 10 de julho, e as 9h00 de segunda-feira, dia 11, conforme anunciado este sábado.

Em comunicado, a administração do CHMT, que abarca as unidades hospitalar de Abrantes, Tomar e Torres Novas, no distrito de Santarém, dá conta de que, "durante este período de contingência", o Serviço de Urgência de Ginecologia-Obstetrícia, cuja maternidade está situada em Abrantes, "não receberá doentes urgentes", tendo sido solicitado ao Centro de Orientação de Doentes Urgentes (CODU) do Instituto Nacional de Emergência Médica (INEM) o desvio de utentes grávidas da região do Médio Tejo para outras instituições do Serviço de Nacional de Saúde (SNS).

Durante estas 24 horas, acrescenta, o serviço "será assegurado por uma equipa de profissionais de saúde, constituída por um médico obstetra, três enfermeiros especialistas, entre outros elementos (como assistentes operacionais e técnicos de diagnóstico e terapêutica), contando também com o apoio da Cirurgia Geral e da Anestesiologia, que prestarão cuidados de saúde circunscritos a situações de risco de vida iminente".

No âmbito desta contingência, refere o CHMT, "as grávidas e utentes com patologia ginecológica emergente que, apesar desta comunicação, se desloquem ao CHMT, serão avaliadas pelo profissional médico escalado e, se a sua condição de saúde o exigir, serão transferidas preferencialmente para o Hospital Distrital de Santarém [a cerca de 70 quilómetros de distância] num transporte assegurado pelo CHMT, com o acompanhamento de um enfermeiro especialista da instituição".

Mais acrescenta que "as situações de emergência inadiável -- que incluem, por exemplo, a realização de uma cesariana de emergência, ou outra condição de risco de vida iminente, como um parto prematuro, ou uma hemorragia pós-parto -- serão asseguradas pela equipa de profissionais do CHMT que se encontra de serviço durante as 24 horas" do período de contingência.

Esta articulação, pode ler-se, "foi previamente coordenada entre diversos Hospitais da região e faz parte da gestão cabal das urgências hospitalares no período de contingência atualmente vivido nesta área da Ginecologia-Obstetrícia", tendo o plano de contingência do CHMT sido estabelecido na primeira quinzena de junho, com o objetivo de "garantir a segurança das utentes grávidas".

O plano de contingência prevê um "funcionamento solidário em rede entre os Hospitais do CHMT, Hospital Distrital de Santarém, Centro Hospitalar do Oeste e Hospital de Vila Franca de Xira", todos situados da região de Lisboa e Vale do Tejo.

Esta é a segunda vez que o CHMT aciona o plano de contingência no espaço de duas semanas no serviço de Urgência de Ginecologia/Obstetrícia, a primeira das quais devido a "doença súbita de dois profissionais" e a agora anunciada "devido às férias de profissionais e impossibilidade de contratar prestadores de serviços para preencher as escalas de serviço".

Na nota informativa, o CHMT avança ainda que é "expectável que venha a ocorrer uma nova situação de contingência no próximo dia 13 de julho, limitado a um condicionamento de apenas de 12 horas, entre as 21h00 de quarta-feira e as 9h00 de quinta-feira, 14 de julho", e no qual o atendimento do Serviço de Urgência de Ginecologia-Obstetrícia do CHMT se processará em idênticos moldes.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+